Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Eu e sua imaginação

Lembras aquele dia
que na praça uma brisa suave
soprava teus cabelos?
Era eu que em sonhos te acariciava.


Lembras aquele dia
em que no rio mergulhastes,
desejando lá deixar tuas mágoas?
Eu era as águas que te envolvia,
procurando te consolar.


Lembras aquele dia/noite,
que observavas o céu?
Uma estrela cintilava,
brilhando com mais e menos intensidade.
Era eu que no silêncio da noite declarava-te meu amor.


Lembras aquele dia
que em prantos de lágrimas chegastes em casa,
trancaste-te no quarto,
pensando estar sozinha?
Eu era o travesseiro.


Lembra os momentos
que as vezes nas manhãs ensolaradas,
o canto dos passarinhos parece de longe, 
muito longe, sussurrar aos teus ouvidos?
Sou eu, insistentemente tentando dizer que te amo.


(Poesia escrita no ano de 1992,  e que faltou coragem para enviar para minha musa inspiradora. Espero que ela leia, e veja nos versos nosso amor não vivido.)

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Amor do Passado

Era ilusão. Só agora vejo.
O tempo perdido. A insinuação.
As horas felizes que difamaram,
o estranho poder da imaginação.

Tudo passou. Felicidade Perdida.
Tentativas desastradas. Inúteis saídas,
Buscadas desesperadamente no calor da paixão,
de um fanatismo inerme que não ouve a razão.

Queria assaz,eu velejar no tempo.
E em um vôo fictício encontrar os astros;
Dar asas a estes pensamentos...

Eles trovejam em me minha mente, tornando-me casto,
sem medo de possivelmente cair em um ergástulo;
Vivendo este amor inútil do passado.


(Esta poesia foi escrita no ano de 1995. Muitas pessoas estavam preocupadas com o fato de eu não arrumar namorada. Rapaz solteiro sem namorada começou a correr na cidade o boato que eu fosse homossexual. O seu Joel ( aquele amigo do qual já falei aqui), chamou-me para uma conversar franca. Perguntou-me se eu era homossexual ou se meu coração estava prenchido por um amor impossível. Depois de  muito relutar, contei a ele, comendo carabola, debaixo de uma mangueira, que meu coração estava sim habitado. Contei que quando no Internado amei com toda minha alma uma garota que sequer olhou para mim. Ele assustado, perguntou: Voce nem a beijou, e se guarda para ela? Eu respondi: Sim. Não consigo mais olhar para outras mulheres, penso nela todas as horas do dia...vejo ela nos meus sonhos, e as vezes na rua pensou vê-la passando. Ele preocupado, disse pra eu orar por esta pessoa. Não tem lógica - disse ele. É um sentimento muito forte. É coisas de vidas passadas. E ficamos a tarde toda, ele explicando para um Adventista, o que eram vidas passadas. No final da tarde eu estava aliviado. E escrevi esta poesia.)

Elegia a Divinópolis

Um dia foste Cirinópolis.
Fostes Galheiros.
E hoje, sois Divinópolis.
Tu és Divina, Divinópolis.
Em ti,
O bem domina o mal,
A vida domina a morte,
A alegria domina a tristeza,
O trabalho domina a sorte.
Tu és Divina, Divinópolis.

Vejo tua força, "Menina Moça",
dos poetas anônimos,
que lutam contra o mal
sozinhos, calados,
que nas caladas da noites
reflete, conclui...
E escreve livros,
que não serão publicados.

Vejo Esperança
Em tuas árvores frondosas,
Nos teus jovens robustos,
Em tuas donzelas carinhosas,
Que aqui lutam para crescer...
Muitos, um dia partiram,
Mas que um dia hão de voltar
Os meus olhos já viram.

Eu também vejo em ti.
Uma triste sina.
Os homens maus,
que agem na surdina,
Que preparam arataca aos desavisados.
Que dilarcera os pobres e engana os coitados.

Vejo o teu futuro.
Envolto em glórias,
resurgindo do caos,
sua própria história,
como meiga lembrança,
de passadas auroras.

Vejo Homens
que vivem no silêncio,
como crianças,
em plácida inocência.
Um dia eles abrirão suas bocas,
Erguerão suas vozes,
fracas e roucas.
E mudarão a história;
para felicidade do bem,
do amor e  da glória.

(Poesia escrita no ano de 1994, depois de desafiado por meu amigo Joel Pinto de Barros, a quem devo muito de minha fornação. Ele dizia que a religião, o internato, a paixão e o amor não vivido tinha destruído meu talento literário. Para tentar convencer-me que o meu caminho era a política e a literatura mostrou-me material escrito que sonhava um dia transformar em livro que li avidamente. No material escrito chamava nossa cidade de Menina Moça. Eis um homem que sabia lutar pelo bem, consciente de que fazia a diferença como um Beija Flor que tenta evitar a queima de uma floresta. Anos depois tive a honra, já depois de formado e Mestre em Educação, de ser professor do mestre e acompanhá-lo na jornada em busca de um diploma de curso superior pelo qual ele sonhou e lutou levar para Arraias e Campos Belos, para que os filhos  do Nordeste Goiano pudesse ter a oportunidade de crescer. A publicação deste poema neste espaço é uma homenagem a você, meu grande mestre - Joel Pinto de Barros, e pequena e bela cidade que me acolheu ainda criança, Divinópolis de Goiás.)

Ei!!!!!!!

Ei! Olhe para minha panela!
Ela não tem feijão.
Olhe para minha cama!
Ela não tem colchão.
Mas, Obrigado Senhor,
Por que não durmo no chão.

Ei!! Olhe para minha casa!
Ela não é rebocada.
Olha para minha lavoura.
Ela é feita de enxada.
Minha casa não tem banheiros;
E suas portas estão quebradas.

Olha onde estão as minhas roupas!!
Dobradas em um mísero malote.
Meu sapato está rasgado;
Mas até que sou um menino de sorte.
Não preciso comer ratos para me livrar da morte.

Ontem fazia frio,
Que triste recordação,
Meu cobertor era fino.
Não dava acomodação.
Fiquei triste, perdi o sono.
Então, lembrei-me do que fizestes;
Quando fostes pregado na cruz
Nem mesmo roupa tu tivestes.

Ah! Obrigado senhor.
Por ensinar-me esta lição.
Ensina-me a amar-te.
E a sofrer com resignação.

(Poesia escrita quando tinha 11 anos de idade. Visto pela professora foi motivo de eu ter me tornado Carteiro Aprendiz, meu primeiro emprego, no ano de 1985. Assim pude vender menos doces na rua, engraxar menos sapato, trabalhar menos com meu pai na lavoura e estudar mais).

O Lar, a família e o Estado democrático

Esta democracia III - Os caminhos da mudança - A valorização da família.


Tenho defendido insistentemente de que o desenvolvimento do nosso estado passa por um forte investimento no ser humano. Dentre os artigos escritos podemos rever http://nelsonsoaresdossantos.blogspot.com/2010/11/eu-estava-certo.html, ali, eu defendia que o fortalecimento da democracia e o investimento no ser humano passava por algumas questões como Fortalecimento da UEG, Fortalecimento da rede de proteção social, Investimento na Educação, Ciência e Tecnologia. Hoje, quero falar de um assunto que parece ser o ponto de partida para que todos estes pontos já discutidos venha a ter sucesso - O investimento e a valorização da família. O estado pode contrbuir para valorizar a família na medida em que fortalece os seus laços, esclarece os caminhos para a paz familiar e age como estado educador.

Eu sempre acreditei que a família é a base da sociedade, a célula mater, assim aprendi e nunca duvidei desta verdade. E por mais que muitos consideram que o conceito e o modelo de família se modificou muito nas últimas décadas há conceito que creio perdura na prática em todos os cantos da terra.."Família é um núcleo de convivência unida por laços afetivos que compartilham o mesmo teto." Gosto desta definição por que ela abarca todas as situações familiares conhecidas na atualidade. Pensando assim podemos dizer que madrasta, padrasto, enteados,desde que morem sobre o mesmo teto pode se considerar como tendo uns com os outros obrigações familiares. Ainda gosto de acrescentar a isto que a família em tais casos se estende aqueles que estão fortemente unidos por laços afetivos mas convivem no mesmo teto, como por exemplo, os filhos de pais separados que contribuem para existência de laços afetivos tanto com os pais verdadeiros quanto com os novos companheiros dos seus pais.

Entender as novas relações familiares que se estabelecem é crucial para a valorização da família. Com o aumento do divórcio não tem como negar mais os novos tipos de relações que se estebelecem nem as consequências que delas advém. Nos dias atuais não se pode negar que o padrasto acaba por participar ativamente na vida dos enteados, assim como a madrasta, sendo assim é preciso cuidar para que estas relações sejam harmônicas, o que muitas vezes não acontece. Neste sentido o Estado pode contribuir das mais variadas formas:

1. Estabelecer uma política de cuidado com as crianças. Escola de tempo integral, política de fortalecimento da Educação Infantil e investimento na cultura com bibliotecas voltadas para as crianças e adolescentes, .cuidado com educação sexual das adolescentes e jovens contribuindo assim para prever e precaver contra situações que enfraquecem cada vez mais a família;

2.Fortalecer a rede de proteção social aliado ao investimento em cultura, esporte, lazer, e, sobretudo a educação. O enlace dos programas sociais a estas atividades contribuiria para o desenvolvimento pessoal e espiritual de nosso povo.

3. Investir em áreas de lazer voltadas para as famílias. Parques, teatros, apresentações musicais são alguns dos exemplos aos são propícios a participação de toda a família.

Entrelaçado a isso, não resta dúvida que o investimento na rede educacional pública é uma forma de valorização da família. Neste sentido, urge que o estado construa as estruturas necessárias para a escola pública que hoje é deficitária de áreas de lazer, e de vida cultural. O investimento no desenvolvimento espiritual e culturas dos professores torna-se também de suma importância.

Para concluir, cito aqui o que pensa a ex-candidata a presidência da república Ingrid Betancourt sobre como ela mudou sua forma de pensar enquanto esteve no cativeiro prisioneira das FARRCs, em entrevista a revista H. S. Manegement. " Eu me convenci de que não são as leis que vão mudar o mundo, nem os políticos, nem os presidentes, nem os congressos. O mundo vai mudar se conseguirmos sentir compaixão pela dor alheia, se nos abrirmos ao outro, se conseguirmos nos colocar em sua pele, se culparmos menos e perdoarmos mais". Ora , que lugar é mais propício para começar este tipo de mudança? É na família que podemos sentir mais de perto um do outro. É nos momentos em família que melhor podemos experimentar o amor, a compaixão, a generosidade. Por tudo isso, valorizemos a família e o lar como local de crescimento das pessoas e primeiro passo do desenvolvimento social.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Eu e você

Você precisa querer
Eu preciso ser querido.

Você deseja amar.
Eu desejo ser amado.

Eu quero corresponder.
Você ser correspondida.

Vamos unir nossos desejo,
E mudar as nossas vidas.

(Poesia escrita no ano de 1991, no Instituto Adventista Brasil Central)

Aurora da Madrugada

Quando ao alto o sol se esconde na aurora de nossas vidas,
E os seus raios se esvaecem nas lembranças esquecidas,
lembra-me os tempos antigos que são vividos de novo
Nos ideais atrevidos dos que vivem dentro de um ovo.

Somos mais que vagalumes vagando na escuridão,
Somos mais que borboletas voando perdidas no espaço,
Somos mais que águias douradas voando pela imensidão,
Na estrada escura da vida que vamos pegando à laço.

Sons retumbam aos nossos ouvidos enquanto não temos voz,
e se algemam as mãos calejadas dos que defendem albatroz..
Eu vejo em névoas expensas as figuras dos marajás,
que nos meus sonhos perdidos ficam presos em alcatraz.

Como bravos napoleões correndo pela rua à lutar,
Vejo um formigueiro humano incendiando o mar...
E nos vórtices velozes vagando com cravas dores.
Vejo homens e mulheres pensando viver amores.

E remoendo o passado, no auge da dor, do sofrimento e agonia
da ilusão recolhida e do amor à filosofia que aprendeu,
Pensam que são felizes enquanto vivem horrendas orgias,
E tem esperança de um ter a paz perdida do profeta que morreu.

Pregam paz, pregam paz,pregam o fim da destruição.
O mundo é uma aldeia global vivendo em intensa união.
Os homens, todos de mãos dadas, lutando pelo fim da dor.
Sonhando com a ilusória visão do ideal do amor.

E as sementes que plantamos, com certeza não floresceram.
E os espinhos, miseráveis, invadiram nossa nação.
Como um exército de vinkigs saquearam nossas vidas,
e como um rebanho de vespas destruiu nossa união.

À extrema melancolia vive-se o ser humano.
Pensando no futuro que em breve o há de esperar.
Os tic tacs de uma relógio na parede dependurado,
Faz lembra que o tempo passa que o passado não pode voltar.

É assim que sobrevivem a nossa geração invejada.
É assim que o tempo passa na nossa casta escuridão.
E recuando e avançando na extrema desilusão.
Tendo a esperança de ver a aurora da madrugada.

(Poesia escrita no ano de 1990, dois antes da formatura do Ensino Médio no Instituto Adventista Brasil Central - Anapólis - Goiás)

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

A Beleza de uma criança

Posso vê-la bela a sorrir.
O seu sorriso é o meu alento e acalanto.
O meu sonho o encanto;
a doce paz que me faz dormir.

Posso vê-la vela a cantar.
O teu canto é a voz dos anjos;
sua simplicidade lembra os arcanjos;
E assim, ensinas-me a amar.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

2010 está terminando?

Eu confesso que sinto vontade de não escrever nada sobre o ano de 2010. Não sou naturalmente pessimista, mas foi um ano que gostaria muito de esquecer. Foi um ano no qual as rosas que eu plantei não floresceram e apenas os espinhos ganharam vida. Perdi meu emprego, perdi a família, perdi amigos (morreram, pois se estivessem vivos não teria perdido, pois amigos que se perde é por que nunca foram amigos). O meu doutorado termina o ano com prejuízos incomparáveis.

Quando olho de outro ângulo no entanto, vejo que pode ter sido o melhor ano da minha vida. Tem sido assim. Há muito tempo aprendi a compreender que tudo na vida possui dois lados. Quando se olha com atenção logo se vê que muito pode se aproveitar daquilo que parece ruim.

O primeiro exercício é olhar para os lados. Quando fazemos isso logo vemos que tem muita gente em melhor e em pior situação do que nós. Este exercício pode nos ajudar a ver nossa pequenez ou nossa virtude de ser igual aos demais, e, de ser apenas um ser diferente entre tantos, nem melhor, nem pior.

O Segundo exercício é olhar para o passado. Quando fazemos isso podemos perceber o quanto caminhamos, o quanto vencemos. Tantos ficaram pelo caminho, caíram desanimados, foram tragados pelo destino em mortes horríveis. Acidentes, tragédias da natureza levaram tantos e nós aqui ficamos. Então percebemos que nossa vida tem um sentido e na verdade o que passamos foi aprendizado.

O Terceiro exercício é olhar além. Olhar além significa olhar além de nós mesmos, além do nosso passado vivo, do nosso presente vivido, e, por que não, do futuro que nos espera. Quando olhamos além de nós mesmos logo vemos que existe uma imensidão de possibilidade em nós, para nós e através de nós. Logo então aprendemos que na verdade somos instrumentos de um propósito maior.

Olhando assim,, 2010 foi maravilhoso. Chegamos ao fim. Na verdade a vida não chega ao fim no final do ano. É apenas uma pequena parada a beira de um lago, à sombra de uma árvore, para em seguida continuar esta bela caminhada que é o viver.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

As tormentas da vida

Há momentos em nossas vidas nos quais a tormenta parece forte demais. Olhamos para um lado, olhamos para o outro lado, e tudo parece escuro. Não se vê luz, não se vê saídas, não se vê caminhos.

Há momentos em nossas vidas que pensamos ter chegado a hora de desistir. É aquela hora em que tudo parece dar errado, quando tentamos, tentamos, e em cada tentativa o que conseguimoso é apenas mais um fracasso!!

Há momentos em nossas vidas que até mesmo as descidas são difíceis. Aqueles momentos quando parece que vamos perder tudo que construímos e ver desconstruir tudo que somos!!

Há momentos em nossas vidas que olhamos e não vemos a família amada. Olhamos e não vemos a carreira que construímos; olhamos e não vemos o futuro que sonhamos.

Tudo que construímos colocando pedra por pedra a cada dia, tijolo por tijolo, vemos derrubados pela tempestade, levados pelo vento, destruídos pelas enchentes do ódio, da inveja, e, de tantos outros males que nos atacam.

Há momentos em nossas vidas nos quais olhamos para todos os lados e nos perguntamos: Onde está Deus? o que este Deus Todo Poderoso, este Grande Arquiteto do Universo, está querendo nos falar? Qual a mensagem? Qual o recado e por que é enviado por meio de tanta dor?

Qual caminho senhor? O que podemos aprender de Justiça e sabedoria na dor, na tristeza e na aflição? Será este o caminho mais ágil para evolução de nossa alma?

Como caminheiros caminhamos por este mundo.E nele somos atacados por tormentas, tempestades, tufões. E olhando para os lados, vendo-nos na escuridão, será motivo para desanimar? Será motivo para fugir da luta, da batalha, da guerra?

Eu digo Não. Não. Não devemos fugir jamais, e sim, como verdadeiros soldados levantar a cada queda, respirar, seguir em frente. E enquanto restar força em nós ir em frente, seguir, caminhar. Enquanto houver forças lutaremos até que Deus venha ao nosso encontro e nos traga o conforto merecido.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Artigo sobre o Nordeste Goiano

O Diário da manha publica hoje na coluna opinião, artigo interessante do meu conterrãneo João Beltrão Filho. Confiram.

http://www.dmdigital.com.br/index.php?edicao=8425&contpag=1

sábado, 4 de dezembro de 2010

Viva a Justiça Brasileira. - Cai o Prefeito de Goiatuba

Depois de publicado no Diário de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, finalmente os jornais estaduais publicam notícia sobre Goiatuba,e, finalmente uma boa notícia: O Tribunal de Justiça confirma cassação do prefeito Marcelo Coelho. Viva a Justiça Brasileira, viva a Justiça de Goiás.

Além do processo que culminou em sua cassação pelo TJ, o Prefeito Marcelo Coelho enfrenta uma dezenas de processos na justiça. E, olha, que se todas as irregularidades existentes na cidade de Goiatuba se trasnformasse em processo Judicial, certamente o prefeito Marcelo Coelho estaria enfrentando uma centena de processos judiciais.

O Prefeito Marcelo Coelho não tem o mínimo respeito pela pessoa humana, não respeita as leis, não respeita nada. Sente-se como se fossse um Deus na cidade. Em Goiatuba é mais fácil conseguir falar com o Papa João Paulo segundo, ( e não estou errando, é com este papa mesmo, falecido) do que alguem conseguir falar com o prefeito Marcelo Coelho. Eu já ouvi de vários secretários dele que ele não fica na cidade, que ninguém o vê, e que a cidade está totalmente abandonada.

Goiatuba precisa de uma intervenção Estadual. Precisa que o Governador olhe para aquela gente, para aquele povo ( do qual eu faço parte), e lembre que o papel do estado é intervir quando um prefeito transforma uma cidade em uma fazenda partircular. Goiatuba é uma fazenda de onde o Marcelo apenas retira os recursos como os velhos colonizadores, retira sem nada colocar. Você anda pela cidade e não vê sequer um investimento, funcionários não tiverem nem correção salarial e são tratados como bardeneiros em vez de serem respeitados como trabalhadores.

Goiatuba está feliz com a decisão do Tribunal, e, espera ansiosa pela decisão do Governador por uma intervenção na cidade, para que se coloque tudo em ordem.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Natal - Tempo de Paz

Fui a missa este domingo. Tenho ido todos os domingos. Acho importante levar nossos filhos a uma igreja, uma denominação religiosa, embora eu não tenha nenhuma religião específica. A escolha da missa é unicamente por ser a confissão materna. O Tema da missa foi o primeiro domingo do advento. Oficialmente para todos os católicos estamos a quatro semanas do nascimento de Cristo, e, os quatro domingos são de espera, preparação para receber aquele que redmiu o mundo e seus habitantes.

Na homilia, o padre lembrou aos fiéis do verdadeiro significado do natal. Não é tempo de bebedeira, de orgias, de glutonarias, mas sim, tempo de paz, tempo de espera, tempo de reconciliação com Deus. É tempo de reflexão sobre os dias que já se viveu na terra, pensar, fazer balanço, planejar o ano seguinte, rever, reconhecer erros cometidos, pedir perdão, perdoar.

O natal é tempo de olhar para o nosso interior e encontrar a Deus, olhar para o nosso irmão e ver Deus, olhar para todos e sentirmo-nos todos irmãos.Todos filhos do mesmo pai e com os mesmos direitos de redenção. Natal é tempo de olhar para nós e ver que os preconceitos que existem em nós devem ser deixados de lado. Natal é tempo de reconhecer de que toda a natureza bendiz a grandeza do criador.

No mundo cristão quase todas as religiões possuem a mesma reverência ao natal. E no mundo não cristão, cada vez mais, aumenta a reverência pelo Mestre Jesus. Hoje, budistas, hinduistas,e tantas outras grandes religiões reconhece Jesus como um grande mestre da humanidade, um grande guia, um grande avartar. De forma diferente todos reconhecem em Jesus um ser Divino.

Nos dias atuais, quando a violência, as drogas, e tantos males assolam a humanidade o natal torna-se uma data importante de recolhimento. Precisamos repensar os valores, repensar o que temos feito de nossas famílias, como temos cuidado daqueles que amamos.

Durante muitos anos fui um fiel seguidor do Adventismo do Sétimo dia, e, hoje lembro com carinho e afeto a beleza das cantatas de natal. Natal era tempo de glória, de santa ceia, de descanso no senhor. Não foi diferente entre os Batistas, Presbiterianos, Assembléianos, e, kardecistas. Em todas elas, o Mestre Jesus é louvado em glória e todos são chamados a buscar uma nnova vida, uma vida de amor, de perdão e de virtudes.

Natal é tempo de paz, tempo de amor. Que neste natal todos os homens possam encontrar o verdadeiro significado do natal, fugindo do consumismo ddesenfreado, o egoismo que mata, o medo e a covardia que destrói. Que todos possamos juntos encontrar o verdadeiro significado do natal.

A caminhada rumo ao eu Interior

Hoje, dei mais um passo na caminhada mística. Terminei uma série de estudos sobre o Martinismo. Os estudos sobre os mistérios perdidos. Durante três anos estudei detidamente e percorri o caminhos de outros cavaleiros que ajudaram a construir a história da humanidade. Debrucei-me sobre a leitura e os escritos deixados por homens como Louis Claude de Sam Martim, Jacob Boheme - O prícipe dos filósofos divinos -, Papus, e tantos outros grandes buscadores dos mistérios do misticismo cristão. Foi uma caminhada maravilhosa, cheia de alegrias, de descobertas, e, sobretudo de crescimento interior.

Aprendido os principais ensinamentos dos mestres do passado, continuarei agora minha caminhada pela vida, buscando servir, ser luz, ser vida, ser amor.Ano que vem, 2011, inicio nova caminhada, meu nome foi aceito para aprender os mistérios de uma nova Ordem, que no momento oportuno revelarei. Será mais uma caminhada rumo ao exercício de coisas já aprendidas, o amor, a justiça, a perfeição. Não posso aqui deixar de agradecer aos mestres do Passado, e aqueles que se dedicaram para trazer até os dias atuais a Tradição. A Ordem Rosacruz (AMORC), a Tradicinal Ordem Martinistam (TOM); e, aos seus mestres e dirigentes por séculos e milênios.

Caso alguem me perguntasse hoje o que o é o misticismo, eu responderia - É uma caminhada rumo ao seu mundo interior, rumo você mesmo, pois é dentro de você que poderás encontrar o seu deus e seu diabo. Misticismo é o caminho do mistério rumo a verdade das coisas, a verdade sobre as coisas, sobre Deus e o Universo, e seu principal livro de estudos é o homem. O melhor método, a busca da transformação de si mesmo em Luz, Vida e Amor.

A principal força que rege o mundo, o Universo e o Cosmo é o amor. Então, não precisamos ficar ansiosos quando sabemoso amar. O amor é o sentimento onde nele tudo pode estar presente. No amor cabe tudo, suporta tudo, tudo espera, tudo cre, tudo perdoa. O amor jamais acaba. Quando decidimos aprender a viver o amor e empreender a grande viagem pelas vias do amor a vida se torna um mar, um oceano de surpresa a nos esperar.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A Guerra no Rio de Janeiro

Acompanho com intenso interesse os acontecimentos no Rio de Janeiro. Tenho amigos que moram naquela federeção e estou feliz que o Estado Brasileiro tenha feito valer a sua soberania. Estou com 36 anos de idade, e não tem algo que eu tenha acreditado com tanta fé quanto o fato de o Estado fazer valer sempre sua soberania em território nacional. Quando membro e dirigente do Partido Comunista do Brasil, defendi tal tese com todas as minhas forças, hoje, como membro e dirigente estadual do PPS ( Partido Popular Socialista) Seção Goiás, estou feliz que as coisas parecem chegar a um desfecho onde a razão, a liberdade, e os valores da nação sejam preservadoso e o cidadão possa viver em paz.

Todos nós que lutamos por um mundo melhor, que somos defensores dos direitos humanos entendemos que não pode existir paz onde um grupo de pessoas constrói suas próprias leis. As leis tem de ser para todos, o estado deve proteger a todos e punir aqueles que não aceitam as regras do pacto social. Temos de defender o direito a educação, saúde, segurança, lazer, cultura, mas temos também de defender o respeito a lei. Nada, nada justifica um cidadão portar arma de grosso calibre, queimar carro dos outros, matar, esfolar, só para criar suas próprias leis.

O melhor de tudo é ver que todos os estados brasileiros parecem estar prearados e prontos para estabelecer a paz na nação.E o povo, a imprensa parece finalmente tornarem-se conscientes de que apenas o Estado deve ter o monopólio da força. Isso ajuda a fortalecer as instituições, a democracia, o processo político e o processo eleitoral, pois devemos saber que a escolha dos governantes certos, competentes e íntegros é a base para se construir uma nação para todos.

sábado, 20 de novembro de 2010

Uma linda Rosa Juvenil.

Olá pessoal,este blog, dentre outras coisas, todos que vem aqui sabe que é onde deixo meus devaneios. É meu divã. Hoje vou devanear sobre o momento mais lindo do ano de 2009. O dia em que minha filha foi uma linda Rosa Juvenil. Era o dia 30 do mês de novembro, mas posso dizer que a festa começou bem antes, no dia que recebi o bilhete da escola dizendo que ela queria participar da apresentação do balé da escola. Tema: Uma linda rosa Juvenil.

Foram tres meses vendo ela dançar pelos corredores da casa e cantar: Uma linda rosa juvenil, juvenil, juvenil, Uma linda rosa juvenil, juvenil. A mãe, aflita, correndo para um lado e para o outro sofreu durantes os três meses a procura da tal fantasia da rosa. Tinha de ser tudo perfeito. A mãe da Malu é a coisa mais linda como mãe, é uma daquelas mulheres que não tivesse tido o privilégio de ser mãe não viveria feliz nesta terra. A filha é seu maior tesouro.

Chegou o dia e passamos o tempo todo correndo de um lado para outro. Se existe momentos felizes na vida, posso dizer que 30 de novembro de 2009, foi um destes dias na minha vida. Vestida de rosa,linda, juvenil, subiu ao palco. Chegamos ao local debaixo de uma intensa chuva, mas mesmo a pior tempestade que fez com que muitos pais se atrasassem impediu que o auditòrio estivesse cheio, vendo aqueles anjinhos celebrarem a beleza da vida na terra.

As lágrimas vertiam dos olhos de muitos pais, e, olhando de lado ali estava a mãe orgulhosa que não sabia se sorria ou se chorava, se abria os braços ou se respirava. Eternecida, com o semblante estava ali, como se visse a maior maravilha de sua vida, sua filha, terna filha a dançar e a cantar para mais de mil pessoas - Uma linda rosa Juvenil.

Naquele momento aprendi que qual homem não foi pai e não viu a beleza no rosto de uma mulher tornando-se a cada dia mais mãe, não sabe o que é a beleza de uma mulher. Aprendi que uma mulher não é bela quando veste roupas sensuais e sim quando sai de si vendo seus filhos tornarem-se seres humanos. Aprendia que a verdadeira beleza da vida é em tornar-se eterno pela evolução de nossos filhos que divulga a luz, a vida e o amo. São nossos filhos os mensageiros da nossa fé, esperança e caridade. Eu aprendi tudo isso com uma linda rosa juvenil.

Coragem, Perdão e amor?

Ontem, escrevi muito sobre coragem. No entanto, não defini de forma clara o que vem a ser a coragem. Muito já se disse e já se escreveu sobre tal coragem. Na poesia, na literatura, na religião, na ciência e na filosofia. Quem assistiu o filme "Tróia" e vê Aquiles enfrentar Heitor, pode perceber ali, como ambos tem a virtude da coragem. Quem assistiu Alexandre invadir o flanco esquerdo do exército de Dario e vencer a batalha de Issos, pode perceber ali a coragem dos homens de todo um exército em uma luta que lhes valia a vida, a morte e ou a a vida e a glória.
A coragem é a capacidade de enfrentar o medo. Queremos dizer com isso que todos os homens sentem medo. Alexandre sentiu medo e confessou isso a seu amante. Aquiles sentiu medo e confessou a sua amada. Heitor sentiu medo e confessou á sua esposa. Tantos outros homens ao longo da história sentiram medos, mas ficaram na história como heróis por que souberam enfrentar o medo e continuar com a ação planejada. Não fugiram, não desistiram, não mentiram, não enganaram. Quando preciso enfrentaram a morte olho no olho e por isso, dizem, venceram a morte e se lançaram para a glória eterna.

Coragem é a capacidade de enfrentar a dor, o medo, o perigo, a intimidação. Tem o coragem o homem que ao perder sua família, emprego, finanaças continua a se levantar todos os dias cuidar de suas responsabilidades. Tem coragem o homem que nas condições mais adversas continua a agir. Coragem é ação. O que significa então coragem ligada ao amor? Tem coragem o homem que mente e engana a mulher amada mas dela não cuida, não gastando com ela um só centavo? Ou terá coragem a mulher que ao dizer amar um homem abaixa sua cabeça e não o defende das línguas maledicentes de outros quando desfrutado dos seus cuidados e proteção? Tem coragem a mulher que se arrisca no encontro com o amante as escuras por medo de trair o marido que a alimenta, e protege?

É preciso entender que coragem é uma virtude. Como tal tem sua falta e seu excesso. No excesso temos a temeridade. Pode se dizer também de inconsequências. A mulher que trai o marido não é uma mulher corajosa, é inconsequente, temerária, por sua vez, covarde e dada a luxúria. Caso fosse corajosa enfrentaria e resolveria os problemas no casamento. A mulher que não defende o marido que a sustenta das línguas maledicentes, antes abaixa a cabeça e concorda é no mínimo covarde, pois se tivesse coragem não lhe restaria outra opçao a não ser defender aquele que lhe dá apoio e proteção. Ao não agir com senso de justiça comete-se os pecados capitais da inveja, do orgulho, da maledicência, e tantos outros.

O que dizer então do homem que sendo medroso inventa todos os tipos de mentira para ter a mulher amada sem assumir nenhuma responsabilidade para com ela? Não se trata só de medo, ou, falta de coragem. Este peca por corvadia, luxúria, inveja, falta com verdade. Um tal homem está quase no estado de animalidade.´Eu diria que não chega a ser um homem, antes, um animal provido de algumas possibilidades humanas.

A coragem enquanto virtude, como discuti no artigo anterior, necessita que exista no ser que a possui outras virtudes. Na luxúria não há coragem. Na perversão não há virtude. A coragem pode ainda ser dividida em duas: a coragem física e a coragem moral. A coragem física é a capacidade de lidar com a dor física, e, necessária para que se tenha a virtude do trabalho. E, aqui, cabe lembrar que muitos homens trabalham não por virtude, mas por medo de passarem fome,e para estes, as coisas materias são mais importantes que tudo, vivem escravos do dinheiro. A coragem moral é feita daqueles elementos necessários para se enfrentar de cabeça erguida a dor da alma, a dor da mente, a dor do espírito. A coragem moral é o elemento mais importante para que o individuo tenha capacidade de perdoar.

Na verdade, não existe amor no coração de um homem que não tenha a virtude da coragem. Só os fortes e corajosos são capazes de amar e cuidar de alguem. Só os fortes são capazes de perdoar, enfrentar a dor da alma e seguir em frente. São capazes de perdoar por que na busca pelo conhecimento de si, sabe dos próprios limites, e, portanto, consegue ver no outro uma possibilidade de si. São capazes de perdoar por que sabem que o outro é o reflexo de si, e a essência da humanidade

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Sobre coragem, perdão, amor, medo e covardia.

Vivemos em um tempo que algumas palavras quase não são pronunciadas. Alma, espírito, virtudes, e, caráter são algumas delas. Vivemos em uma época em que se tornou normal mentir, ser hipócrita, omitir a verdade, corromper e ser corrompido. Da forma como estão as coias parece até que não é difícil acreditar no apocalipse cristão.
As virtudes nos dias de hoje não é assunto tratado. Parece que o normal é sequer tentar pensar em tais questões. Honestidade? que isso? Gente honesta demais o destino é terminar mal, na pobreza e na miséria, dizem alguns. Prudência? Coragem? Tolerância? Que nada. O importante é quanto você vai lucrar com as situações vividas. A grande maioria estão preocupados apenas com uma coisa: como fazer para ter o máximo de prazer, poder, dinheiro. As coisas tomaram o lugar do ser. A velha questão "Ser, ou não Ser", não tem nenhum sentido mais para a maioria.

Em tempos assim, é quase impossível viver a virtude do amor. E aqueles que escolhem viver a virtude do amor defrontam-se com dificuldade incomensuráveis, e, quase intransponíveis. É do amor que quero falar. Já disse sabiamente o apóstolo Paulo na sua carta aos coríntios - o amor tudo suporta, tudo espera, jamais acaba. Havendo profecias desaparecerão, o amor, jamais. Cantou o poeta - " O amor é fogo que arde e não se sente, é um contentamento descontente. - Ao longo da história humana muito já foi dito sobre amor. A minha pergunta é : Os covardes podem amar? qual a relação entre a virude da coragem e a virtude do amor?

O velho mestre Aristóteles, ao escrever sua Ètica a Nícomacos, deixa claro que não. Para ele, algumas virtudes só existem em um homem quanto se tem outras virtudes que lhe servem de base. No topo estão as virtudes intelectuais. Para aristóteles o homem virtuoso terá que necessariamente ter as virtudes intelectuais, entre as quais estão a sabedoria e o conhecimento. Abaixo das virtudes intelectuais estão as virtudes teologais - fé, esperança e caridade; abaixo destas, as virtudes - Coragem, justiça, temperança e prudência; abaixo um pouco mais as virtudes morais - sobriedade, trabalho, prodigalidade, castidade, mansidão, generosidade e modéstia.
No meio de tudo isso estão os pecados capitais, ou seja, na medida em que um homem não consegue ser virtuoso ou ele vai ao excesso ou a falta. A dimensão dos limites ultrapassados leva-o aos pecados capitais - Gula, avareza, preguiça,luxúria,coléra, inveja e orgulho.

O medo e a covardia são dois limites ligados a virtude da coragem que por sua vez afeta a possibilidade do homem ter outras virtudes. Um homem medroso e covarde pode a vir ser temerário, portanto, a matar por medo de morrer. Poderá ser um homem trabalhador, mas jamais capaz de correr riscos. Não será manso, o medo e a covardia impede a paz e a mansidão. O medo impede que se tenha fé e que se tenha esperança. O medo e a covardia quase sempre vai levar a avareza, a luxúria, coléra, inveja e orulho.
O homem medroso e covarde tem inveja do homem virtuoso. O homem medroso é avaro por que tem medo de tudo perder. O homem medroso não é capaz de amar, por causa da sua avareza, da possibilidade de correr riscos.

NO amor, existe espaço para quem é virtuoso, ou para quem luta e trabalha por se tornar.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O pneu furado do ônibus, o voto e a corrupção
Viajei para Goiatuba nesta segunda feira. Feriado, ônibus lotado, viagem cansativa. Até ai quase tudo normal. É claro que viajar em ônibus velho, poltronas velhas, sem ar condicionado, já é costumeiro para os passageiros que se deslocam da capital para os municípios goianos. É assim, a Empresa São José do Tocantins que faz linhas para as cidades do Nordeste Goiano, sobretudo Campos Belos e alguns municípios do Tocantins, como Arraias, Taguatinga, dentre outros. É assim também com a Empresa Viação Estrela que faz o percurso Goiânia – Buriti Alegre, passando por cidades como Aparecida de Goiânia, Professor Jamil, Morrinhos e Goiatuba. Nesta viagem um acontecimento diferente chamou minha atenção – o pneu do ônibus furou, e, ao pararmos em uma borracharia aconteceu um diálogo entre alguns passageiros que passo a descrever aqui.
Tudo começou a acontecer quando o borracheiro detectou que não tinha como arrumar o pneu. Um dos passageiros afirmou que aquilo que estava acontecendo era um descuido da empresa para com a população e que todos precisavam denunciar o tipo de acontecimento ali a Agência Goiana de Regulação ou a Agência Nacional de Trânsito. Nesse momento o Motorista fez uma intervenção dizendo: Não adianta, alguém pode até denunciar, o fiscal pode até ir lá, pode até mesmo achar problemas, mas no final tudo termina em propina, as empresas de transportes compram todos estes órgãos, financia a campanha dos políticos e tudo termina como se nada tivesse acontecido.
Ouvi aquilo e fiquei pensando na anomalia que está se transformando a nossa sociedade. Todo mundo sabe que a corrupção existe, todo mundo sabe que quem é os corruptores e os corrompidos e ninguém faz nada para mudar a situação. Intrigado eu questionei se nós que ali estávamos não podíamos fazer nada, por que votamos nas mesmas pessoas, nos mesmos políticos, e aceitamos viver no meio deste mar de corrupção cercando a todos nós. Um dos presentes se apressou a responder citando o exemplo do prefeito de goiatuba que retirou a gratificação de muitos funcionários, diminui salário até de professores para cumprir a lei de responsabilidade fiscal. E , impressionado ouvi-o dizer: se o prefeito tivesse administrado com responsabilidade não precisava fazer isso agora, certamente o dinheiro que ta faltando no caixa foi parar no bolso de alguém. Mas o que podem fazer os funcionários? Retrucou-o para em seguida responder que nada, uma vez todos eles precisam viver cuidar da família e sabem que se reclamar pode acabar perdendo o emprego, mesmo aqueles que são concursados.
No restante da viagem, o ônibus balançando, a chuva na estrada fui a pensar sobre como a corrupção se espalhou na sociedade. E a maioria das pessoas encontra-se presas, sem conseguir dizer não, fracas para dizer um basta, presas pela sobrevivência por um pouco, por quase nada que não torna-os melhores. Antes os faz triste a cada dia, todos começam a não ver sentido na vida, e , começam a pensar que viver é apenas ir sobrevivendo, vendo os dias passar e servindo aqueles que tiram de nós a nossa liberdade, nosso direito de escolher representantes probos e dignos daquilo que queremos para nós e para nossos filhos.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A Liderança de Marconi Perillo IV – O desafio da definição ideológica
Nelson Soares dos Santos

As eleições terminaram, Marconi Perillo é o novo governador de Goiás. No ano passado escrevi cinco artigos dissertando sobre como se deu a construção da Liderança de Marconi em Goiás. Nestas eleições um novo quadro se apresenta ao Jovem Senador, o desafio de expandir sua liderança para além das fronteiras do Estado de Goiás e quiçá tornar-se uma das lideranças do PSDB em todo país. Muitos analistas têm escrito sobre os desafios que enfrentará a liderança de Marconi, alguns acham que Marconi terá de reinventar-se, outros, acreditam que o seu maior desafio será fazer um governo de realizações, outros ainda, mais apressados, acreditam de forma romântica que a liderança de Marconi está consolidada em Goiás e ele está pronto para dar saltos maiores. Não conjugo de nenhuma de tais interpretações. Creio que o grande desafio de Marconi será a sua definição ideológica.
Primeiro, não acredito que a liderança de Marconi é inconteste em Goiás. Sua vitória, apesar de ter sido uma demonstração de força só foi possível por que se aliou novamente ao Democratas, contou com uma união partidária invejável dentro do próprio partido e aliados fiéis e de primeira hora como o PPS – Partido Popular Socialista, PTB – Partido Trabalhista Brasileiro. Não fosse a defesa do Patrimônio Político feita de forma diuturna pelo PSDB - com destaque para o Deputado Daniel Goulart, Carlos Alberto Lereia e Jardel Sebba; no PPS – com destaque para a batalha enfrentada por Gilvane Felipe, por meio de artigos e presença na imprensa; e no PTB, pela fidelidade do Deputado Jovair Arantes, possivelmente a oposição teria logrado êxito na tarefa de desconstruir a imagem política do senador. O Democratas, divido, participou desta defesa com destaque para a atuação política do deputado Vilmar Rocha, e no PP – Partido progressista e do atual governador, contou com a atuação fiel do deputado Roberto Balestra. Marconi contou com uma estrutura conservadora para se eleger, agora, é esperar como ele lidará com as alas dissidentes, sobretudo do democratas que o apoiou no processo eleitoral.
Segundo, não concordo com um governo de realizações dará consolidação desta liderança devido a expressão que tem o nosso estado no cenário nacional. O pragmatismo realizador não projeta grandes lideranças. É preciso muito mais que isso. Outrossim, a realização de um governo de grandes realizações ainda depende da montagem do governo, o que esbarra na composição política do secretariado. Os primeiros nomes da equipe de transição indicam mais do mesmo do governo passado, sem grandes novidades, e, pior, neste governo, distante dos partidos de esquerda, o Governo Marconi terá unicamente o PPS como partido Progressista e de origem na esquerda a apoiá-lo. Portanto, uma característica do governo passado que foi o investimento em Educação, criação da UEG,e o fortalecimento da rede de proteção social, pode estar comprometida neste governo. É preciso saber para que parcela da população haverá de fato grandes realizações.
Por fim, é preciso lembrar que os dois primeiros governos Marconi governou com um pé na esquerda e outro na direita. Agora, as forças de centro-direita são dominantes no seu governo e delas vieram o reforço necessário para garantir a eleição. Sem o apoio dos conservadores do estado, detentores da estrutura financeira necessária Marconi não teria logrado êxito na luta contra todas as máquinas públicas que trabalho para Iris Rezende ( o governo federal, estadual, e as principais prefeituras). A ala extremamente conservadora do democratas e do PSDB cobrará agora sua fatura.
Todas estas questões se resume a uma outra. No cenário nacional está ganhando força um debate de valores, um debate ideológico e conceitual. Marconi terá de entrar neste debate se quiser obter espaço no cenário nacional. Aliado a isso, a evolução da sociedade brasileira aponta um aumento crescente de pessoas com capacidade análise o que tornará este debate ainda mais importante. Com isso, creio que o conceito de estado, o papel do estado, as relações institucionais que se estabelece na sociedade, a questão da família, das amplas liberdades, deverão serem lembradas até mesmo na hora de definir os investimentos do estado. Neste sentido, fica inequívoco que o grande desafio de Marconi é agora definir seu perfil ideológico. Não poderá mais ser contra o PMDB, ou a política da panelinha, terá que ter um projeto próprio, de governo, de estado e de sociedade.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Escravos que tenta liderar escravos.

Eu nasci no Nordeste Goiano. Sou descendente de Kalunga. Para quem não conhece o Nordeste Goiano é a parte mais pobre do Estado de Goiás e já foi conhecido como o Corredor da Miséria. Eu lutei muito para chegar onde estou chegando. Estudei em uma faculdade isolada do Sudeste do Tocantins, fiz mestrado em Educação na Universidade Federal de Goiás, e agora estou Doutorando em Educação pela Pontíficia Universidade Católica de Goiás. Digo isso para afirmar de coração: Senhor Reinaldo de Azevedo estou chocado com sua falta de escrúpulo e com o tratamento dado a uma Instituição de Ensino.

Eu entendo, Senhor Reinaldo, que o sendo de uma direita pobre de argumentos, afinal foi o que entendi ao ler diversas outras reportagens do senhor, desde que escreveste sobre Goiatuba tente tanto desqualificar seus adversários. É uma pena que só agora eu resolvi ler o senhor por que até agora o senhor, bem como a revista veja fazia parte daqueles tipo de imprensa que nunca me dei ao trabalho de ler. Aliás, sempre aconselhei meus alunos a não lerem a veja. Acho que isso faz mal para o desenvolvimento das virtudes espirituais e intelectuais.

Eu entendo, Sr. Reinaldo, que sendo de uma direita pobre em argumentos o senhor conseguiu ver no texto do professor Ivaldo apenas erros de português,( como se a veja não tivesse os mais absurdos erros, isso, as poucas vezes que li, por obrigação de um ofício, quando trabalhei em assessoria de comunicação, aliás, a pior coisa da minha semana era conferir o que Veja havia publicado.

Eu entendo Sr. Reinaldo, que sendo de uma direita pobre em argumentos o senhor sinta tanto ódio do Senhor Delúbio Soares, afinal, a direita governou este país por 500 anos, e manteve mais de 50% da população abaixo da linha de pobreza, o Sr. Delúbio foi um personagem importante para derrotar sua direita pobre em argumentos. E sinceramente, Sr, Reinaldo, não me importa agora se o memensalão é, foi ou deixa de ser crime. Sr. Reinaldo, vendo o quanto de pessoas sairam da pobreza neste governo Lula, eu digo ao senhor sem medo de ser acusado do que o senhor quiser me acusar: Se o preço para o Sr. Lula ser presidente do Brasil fosse o mensalão eu mesmo o teria inventado.

Com certeza, Sr, Reinaldo, o Senhor não sabe o que é fome. Não sabe o que é acordar de manha e não ter café na mesa, não saber o que se vai almoçar. E eu que sonhava em fazer uma faculdade ouvir dos mais ricos que eu não devia estudar, por que? por que era pobre. Sr. Reinaldo, o senhor deve ter muita raiva do Prouni, muita raiva da Polítca de Cotas, Muita raiva da Lei Maria da Penha. O Senhor deve ter muita raiva de tudo que faz este país ser mais igualitário.

Com certeza, Sr. Reinaldo, o Senhor nunca andou por este Brasil. Deve viver sua vidinha de elite, (nem sei se em São Paulo ou rio de janeiro, quer saber, nem me interessa onde o senhor mora"), esta elite que não conhece o Brasil,não conhece como vive o brasileiro que sustenta este país, o brasileiro que vive de salário mínimo.

Eu entendo, Sr, Reinaldo, seu preconceito contra os goianos, contra Goiatuba. Quero lembrar ao senhor que nos governos de Direita também tem mensalão. Tem mensalão no DF, aliás, o senhor já se deu ao trabalho de escrever criminalizando o Arruda? ou no pensamento racional e não ideológico do senhor a corrupção e o mensalão do DF é diferente???

Eu fico aqui acompanhando a questão da Educação em São Paulo, a educação pública, claro, a educação dos pobres.Vi e li hoje a forma como o senhor trata os professores da rede pública. Sr. Reinaldo, eu que não sou de esquerda, que não me considero um ideólogo de coisa nenhuma, hoje agradeci a Deus por o senhor não ser Goiano.

Um dia Senhor Reinaldo, eu irei a São Paulo, ensinar sobre democracia, igualdade social e outras coisas importantes para o Sujeito comteporâneo. Quero vê-lo em minha platéia senhor Reinaldo. Ah,ai, lá, o senhor me lembra de dizer por que razão eu resolvi escrever esta carta ao senhor.

Eu imagino, sr. Reinaldo, que meu texto deve ter muitos erros de português. Sabe de uma coisa, eu não faço correção de nada que escrevo no meu blog. E não vou fazê-lo agora por ver a forma derespeitosa na qual o senhor leu o texto do professor Ivaldo. Já que o senhor tem tempo de sobra, aproveita para corrigir meu texto.

Quanto ao Professor Ivaldo, que o senhor descaracteria, desrespeita, sem ao memenos investigar o que ele faz em goiatuba, como luta pelo crescimento da Instituição, vou lhe dizer algumas palavras: Ele é um bom professor, conhece melhor o Brasil do que muitos colunistas paulistas e tenho certeza, conhece mais o Brasil hoje que o senhor.

Ah Sr. Reinaldo. Li uns textos seus sobre "Tropa de Elite", e que peróla de interpretação o senhor faz de Kant e de Foucault. Meu Deus, eu não sabia se estava lendo piada ou revista em quadrinhos. É por isso que aconselho meus alunos a lerem direto na fonte. Em vez de lerem veja, eu os digo, leiam kant, leiam Foucault, Leiam Hegel. Nós somos capazes de entender, somos capazes de entender, compreender, eu os digo. Não é por que nascemos em Goiás, que precisamos ler estas porcarias de veja e companhia pra entender kant. Fala Sério, Sr. Reinaldo!! Quem o ensinou a ler Kant?

Que peróla o senhor constrói ao discorrer sobre assuntos como droga, violência doméstica, etc. Meu pai, Sr. Reinaldo, preserve a natureza. Não deixe a Veja publicar tuas porcarias. Eu não acredito que o senhor comete estes erros por ignorância. Afinal, o senhor é paulista, colunista de Veja, o Homem capaz de escrever sobre tudo, sobre todos. Aliás, o senhor não é vidente não?

Eu tenho um amigo goiano que classificaria o senhor como um escravo mor manipulador de outros escravos, e que certamente faria uma dura crítica a mim por estar escrevendo estas tortas linhas ao senhor. Para ele, nós temos que lutar para sermos homens livres, não escravos que governa escravos. Ele está certo. Pois então, Sr. Reinaldo, perdoe este escravo que lhe escreve. Perdoe-me por atrever-me a escrever ao escravo rei que tenta usar a pena para manipular os simples. Ah, Sr, Reinaldo, infelizmente eu duvido que o senhor vá eleger o Serra assim. O povo pobre não está nem ai para sua ideologia de direita, nem de esquerda. O povo pobre quer comida na mesa, escola para os filhos. E isso, o PT, O Lula, o Delúbio, contribui mais que sua direita esquizofrênica.

Sr. Reinaldo, eu o convido a conhecer o Brasil.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Pedaços de mim.


Eu sou quase tudo, e sou quase nada.
Eu sou o atalho, sou a estrada, sou a rede, sou a porteira.
Eu sou o chão, sou a lama, sou a poeira.
Eu sou o sonho, a esperança, o devaneio.
Eu sou o partida, a chegada e o esteio.
Eu sou quase tudo, e sou quase nada.
Eu sou o coice, o carinho, o acinte.
Eu sou a verdade do século vinte.
Eu sou o passado que insiste em permanecer.
Eu sou o presente que insiste em tentar crescer.
Eu sou o futuro que agride os olhos e ninguém quer ver.

Teu Jardineiro.


Deixe-me olhar pela janela.
Eu não tenho medo de ver o jardim o florido.
Não, não tenho nenhum medo.
Eu sei que lá fora chove, e ás vezes, o céu fica nublado.
Até mesmo nos mais belos jardins, ás vezes fica um pouco escuro.
Eu quero olhar pela fresta da janela, mesmo que seja só por uma fresta.
Eu sei que nos jardins as mais belas rosas trazem junto espinhos.
Por vezes, caso o jardim não esteja bem cuidado tem ervas daninhas.
Outras vezes, pode ter bichos selvagens habitando o jardim.
Eu não tenho nenhum medo. Eu desejo o jardim, eu quero o jardim.
Eu nasci para ser o seu jardineiro.
Então me deixe olhar pela janela.
Não tenha medo, agora quero apenas contemplar o jardim.
Deixe-me chegar bem pertinho da janela.
Saia do esconderijo do seu jardim, venha até mim.
Dê-me tuas mãos. Não tenha medo.
Deixe-me entrar em teu jardim com você.
Ensina-me teus lugares secretos e eu lhe ajudarei a cuidar das rosas e a retirar os espinhos.
Ensina-me da tua bondade com as rosas.
Ensina-me da tua esperança de que toda erva, pode ser bela;
Mostre-me quais rosas foram regadas com tuas lágrimas.
Eu não tenho medo de estar em teu jardim.
Eu quero estar em teu jardim, eu nasci para ser seu jardineiro.
Vem, segura em minhas mãos, vamos passear pelo jardim.
Vamos sentir o cheiro da relva molhada, da chuva.
O céu está nublado, mas não tenha medo.
Sempre que chove o céu fica nublado.
Logo, o sol virá e poderemos cuidar melhor do jardim.
Enquanto chove, podemos olhar pela janela.
Com o céu nublado você pode me ensinar sobre o jardim.
Vem!!! Vamos passear pelo jardim da sua alma.
E quando o sol ressurgir será teu jardineiro.
O jardineiro do teu ser, de tua alma.
E os meus olhos virão as rosas desabrocharem...
E os meus olhos aprenderão sobre os mistérios do amor.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A vida não é uma lástima, é uma batalha

Outro dia conversei longamente com um velho amigo sobre a vida, e a corrpução da raça humana. Ele estava lastimoso pela situação da juventude. Lembro-me que a maioria das regras e limites que tenho na vida me foram dadas por este velho amigo, quase que um pai para mim. Eu poderia dizer que ele foi um verdadeiro mestre para meu crescimento como homem, e como pessoa.

As vezes ele pode até ter razão. Tudo anda muito corrompido mesmo. A vida anda muito difícil. As pessoas não tem mais nenhum escrúpulo para alcançar seus próprios interesses e objetivos. Tudo tem uma justificativa e no final, tudo é culpa do diabo. Ninguem assume responsabilidades.

Por estas razões toda esta semana e durante alguns dias vou dedicar a relembrar os ensimanento que ele me passou. A minha frase de hoje é uma homenagem a este velho amigo,e uma forma de dize-lo que de alguma forma a vida dele, as lutas dele não foi em vão.

A mensagem de hoje é o salmo 37.

Temporária a felicidade dos perversos.

Não te indignes por causa dos malfeitores,
Não tenhas inveja dos que praticam a iniquidade,
Pois eles dentro em breve definharão como a relva
e murcharão como a erva verde.
Confia no senhor e faze o bem,
Habita na terra e alimenta-te da verdade.
Agrada-te do senhor e ele satisfara os desejos do teu coração.
Entrega o teu caminho ao senhor, confia nele e o mais ele fará.
Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito como o sol ao meio dia.
Descansa no senhor e espera nele. Ñão te irrites por causa do homem que prospera em seu mau caminho, por causa dos que levam a cabo os seus maus desígnios,
Deixa a ira, abandona o furor. Certamente isso acabará mal.
Por que os malfeitores serão exterminados, mas os que esperam no senhor possuirão a terra.
Mais um pouco de tempo e já não existirá o imípio; procurarás o seu lugar e não o acharás.
Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundãncia de paz.
Trama o ímpio contra o justo, e contra ele ringe os dentes.
Rir-se-á dele o senhor, pois `vê estar aproximando o seu dia.
Os ímpios arrancam da espada e distendem o arco para abater o pobre e o necessitado, para matar os que trilha o reto caminho.
A sua espada porém lhe transpassará o próprio coração, e os seus arcos serão despedaçados.
Mas vale o pouco do justo, que a abundância dos ímpios.
Pois os braços dos ímpios serão quebrados , mais os justos o senhor os sustém.
O senhor conhece os dias dos íntegros, a herança deles permanecerá para sempre.
Não serão envergonhados nos dias do mal, e nos dia da fome se fartarão.
Os ímpios, no entanto, perecerão, e os inimigos do senhor serão como o viço das pastagens.
Serão aniquilados e se desfarão em fumaça.
O ímpio pede emprestado e não paga, o justo se compade e dá.
Aqueles a quem o senhor abençoa possuirão a terra; e serão exterminados aqueles a quem almadiçoa.
O senhor firma os passos do homem bom, e no seu caminho se compraz, se cair não ficará prostado, por que o senhor o segura pela mão.
Fui Moço e já agora sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem sua descendência a mendigar o pão.
É sempre compassivo e empresta e a sua descendência será uma benção.
Aparta-te do mal e faze o bem, e será perpétua a tua morada.
Pois o senhor ama a justiça e não desampara os seus santos.;
Serão preservados para sempre, mas a descendência dos ímpios será exterminada.
Os justos herdarão a terra e nela habitarão para sempre.
A boca do justo profere sabedoria, e a sua língua profere o que é justo.
No coração tem ele a lei do seu deus; e os seus passos não vacilarão.
O perverso expreita o justo e procura tirar-lhe a vida; mas o senhor não o deixará em suas mãos, nem o condenará quando for julgado.
Espera no senhor e segue o seu caminho, e ele te exaltará para possuires a terra; presenciarás isso quando o ímpor for exterminados.
Vi um ímpio prepotente a expandir-se qual cedro no líbano.Passei e eis que desaparacera; procurei-o e já não foi encontrado.
Observa o homem íntegro e atenta no que é reto, por quanto o homem de paz terá posteridade.
Quanto aos trangressores serão a uma destruídos, e a descendência dos ímpios será exterminada. Vem do senhor a salvação dos justos, ele é sua fortaleza no dia da tribulação.
O senhor os ajuda e os livra; livra-os dos ímpios e os salva, por que nele buscam refúgio.

Então pastor, Jaime Wolff, receba minha singela homenagem, por meu reconhecimento de vossa vida foi dedicado a luta por um mundo melhor. E que os nossos dias, todos os nossos dias e todas as nossas lutas jamais serão em vão.

Somos e seremos parte da história da luta da humamidade por dias melhores. Não decepcionaremos aqueles que deram suas vidas pela verdade, que dedicaram suas existências a fazer com que a humanidade acreditasse no bem, na virtude e no amor.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Casar é fácil. Díficil é construir um lar.

Casar é fácil. Díficil é construir um lar.
Para casar basta comprar duas alianças, fazer uma festa de noivado, um curso de noivos, alardear para os amigos, ir ao cartório e fazer o casamento. Alguns fazem na igreja, o que também não é díficil. Afinal, não se exige mais a virgindade da mulher. Pode se casar com o vestido que quiser, com a cor que quiser e está tudo bem, está tudo ótimo.

Para casar, nem é preciso mais, como diziam os antigos, ter casa. Inventaram o aluguel. Aluga-se uma casa, apartamento, barracão, qualquer coisa. Coloca-se se uma cama, um fogão, e pronto. Casa-se.

Construir um lar leva-se mais tempo. Construir um lar significa plantar as sementes da vida e da virtude. Para construir um lar é preciso que os candidatos homem/mulher se conheçam. É preciso que se passe tardes e fins de semanas juntos conversando, passeando de mãos dadas, ouvindo um do outro as formas de se viver e amar a vida. Sim, pois mesmo que ambos sejam do bem e acreditem no amor, é preciso ter harmonia na forma de amar. É preciso sintonizar as formas de sentir o suave toque a brisa, é preciso aprender a respirar juntos. É preciso que ambos se afinizem com a chama divina que existe em cada um de nós para que o futuro lar seja protegido das forças das trevas que produz as intrigas do dia-a-dia.
Para se constuir o lar é preciso haver um querer de ambos os lados. Mas não apenas querer. È preciso haver querer e disponibilidade. Hoje, muitas mulheres e muitos homens estão alquebrados de relacionamentos dos quais insiste em não se desapegar. Pessoas apegadas relacionamentoso passados não estão prontos para construção de um lar. Podem estar prontos para um casamento, querer ter filhos, construir patrimônimo, mas não estão prontos para um lar. Não se cosntrói um lar perguntando para um ex-namorado como agir nas novas situações. Constrói-se um lar entregando-se de corpo e alma ao amor que deve reger a cosntrução de um lar.
Quando era criança li uma mensagem do Padre Zezinho, que dizia que o lar que queremos cosntruir deve ser feito dia-a-dia, tijolo por tijolo. Na época trabalhava com meu pai de pedreiro, e por esta razão fiquei dias e dias vendo casas sendo construídas tijolo por tijolo. Aquela mensagem moldou minha crença sobre como deve ser construido um lar. Apenas uma coisa me escapou: é preciso ter a argamassa correta, os tijolos não podem estar estragados. E é preciso saber manejar o esquadro e o compasso. Do contrário as paredes ficam tortas, e no final tudo se desmorona.

A argamassa de um lar é o amor. As virtudes da tolerância, prudência, bondade, paciência, cuidado, e amizade. È preciso manejar bem o esquadro da retidão, da fidelidade e do respeito. Cada medida deve ser pensada, medida, pesada e alinhada.

Digo isso com a experiência de quem está no segundo relacionamento que pode ser considerado um casamento. Tenho duas filhas, uma de nove anos e outra de quatro anos. Cada uma de um relacionamento diferente.
Com a primeira mãe não vivi, por opção minha. Achava-me um homem moderno, poderia ser pai solteiro, até mesmo criar minha filha sozinho. Hoje, penso, quanto egoísmo e burrice. Três anos depois já professor universitário, vi que a vida é bem diferente dos folhetins dos revolucionários. A vida não permite invenções malucas, nem a natureza permite criações burlescas.

Quando a primeira filha estava com quatro anos consegui um acordo com a mãe, acordo díficil, porém útil a preservar o mínimo da saúde da filha. Então, foi que percebi que toda esta baboseira de guarda compartilhada, etc, etc, não é mais do que uma grande mentira que não preserva nem mãe, nem pai, nem filhos. Descobri pela dor que a única coisa que realmente preserva a dor de uma filha é a manuteção do lar, é a construção de um lar. Descobri que todo ser humano nasceu para crescer em um lar. Todo o estatuto da criança e adolescente deveria ser mudado. O único direito que deveria ser garantido a todas as crianças é o direito de serem criadas em um lar e amada por seus pais e mães.

Era uma noite de sexta feira e fui a cidade da minha filha buscá-la para passar férias comigo. Alegre por que estava na minha companhia e triste por que estava deixando a mãe para trás ela me disse:
- Pai, existem coisas na vida que nem fadinha consegue resolver né?
Eu, sem entender questionei: - o que por exemplo?

Ela respondeu: - Veja pai, eu amo a Maria Luiza, ela é minha irmã, se eu desejar que você fique com minha mãe você não vai poder ficar com a mae dela, e eu amo também meu irmãozinho, e se você ficar com minha mãe pra gente ter um lar, almoçar juntos, brincar, meu irmãozinho não ficar com o pai dele. Logo, a fadinha não pode fazer nada por mim.

Com dor no peito e quase chorando eu disse a ela que era possível buscar a harmonia entre as pessoas e que um dia talvez, no aniversário de 15 anos dela, eu conseguiria reunir as pessoas que ela ama, mesmo que por um momento na vida, ela teria um grande lar.

Com minha segunda esposa, eu não queria uma copulação, queria um lar. Pedi que ela me prometesse que nunca afastaria minha filha de minha pessoa. Acaba de terminar os cinco anos mais profundos da minha vida nos quais eu não tinha coragem de deixá-la unicamente por medo de sofrer com a distãncia da minha filha. Foram cinco anos nos quais tudo foi feito para que minha auto-estima fosse destruída. Ouvi diuturnamente que eu era o pior homem do mundo, que eu era fedorento, pobre e todos os impropérios possíveis. Hoje, eu sei que errei em ter acreditado que ela queria construir um lar. Hoje eu sei que quando uma mulher quer um determinado homem não há nada que ela possa receber que a faça querer outra coisa. Finalmente, começa meu segundo calvário: viver longe da minha segunda filha.

Felizmente obtive razão para acreditar que não sou um homem tão ruim quanto ela me convencia que eu era. Tive então forças de deixá-la. Confesso que tenho medo de me relacionar com qualquer mulher, e, que dói no meu peito apenas de lembrar alguns momentos vividos. Agora, depois que tudo passou, eu agradeço a deus por não ter feito nenhuma loucura, foi Deus quem dirigiu meus atos e atitudes, pois não entendo como suportei tantos impropérios e tanta dor. Quando a gente vive sozinho, faz-se qualquer coisa pra fugir da solidão. Hoje, sei que não vale a pena.

Aprendi que só é possivel deixar de ser sozinho quando se constrói um lar. Um lar é construído com amor, com carinho, com afeto, com tolerância, amizade, bondade, cuidados. Um lar é onde ansiamos por estar, por nos sentir seguros. Para se construir no entanto, um lar, é preciso o querer total de duas pessoas. Não é possível construir um lar com uma mulher que ama outro homem, que pensa o tempo todo neste outro homem, que liga dia sim e dia não para este outro homem. Um lar exige de ambos fidelidade. Fidelidade total.
E não é possível suprir a falta de fidelidade de um, sendo infiel de outro lado. Isso pode até manter por algum tempo o casamento, mas não mantém o lar. Não é possível ceder a práticas corrompidas de sexo, de formas de busca de prazer. Isso até pode manter um casamento, mas não mantém um lar, pelo contrário degrada o espirito e alma dos que estão envolvidos.

Aceitar o descuido com a casa, o descuido com a pessoa de qualquer dos conjugues, pode manter um casamento. Não mantém porém um lar. Uma casa descuidada, uma esposa que não recebe o marido chegando de viagem com um beijo e um abraço, que não sente prazer em cuidar dos pertences do marido não mantém um lar. Aceitar tal situação pode manter um casamento, não um lar.

Da mesma forma, um marido que não ouve a esposa, que não cuida, que não manda flores vez ou outra. Um marido que prefere estar com os amigos a estar com a familia, que não elogia a esposa e que não reconhece suas mais nobres qualidades. Aceitar isso como normal, pode manter um casamento, mas não mantém um lar.

Enfim, é possível sem amor manter um casamento. Não é possível, no entanto, manter um lar. Um lar onde um dos conjuges não acredita no amor, simplesmene este lar não existe mais. Pode até existir uma casa bem arrumada, contas pagas, mas sem amor não é possível fazer um lar existir. Um lar só é possível fazer existir com amor e com a presença de deus. Eu precisei viver longe de duas filhas que amo para entender isso. Não é possível construir um lar sem o amor recíproco de homem/mulher pai/mãe, e de forma triangular o amor de ambos por deus, pelos princípios e valores do amor divino. Apenas este é o caminho para proteger e cuidar bem dos filhos, dar a eles a segurança para que eles cresçam em virtude e evoluam espiritualmente nesta terra