Pesquisar este blog

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A vida não é uma lástima, é uma batalha

Outro dia conversei longamente com um velho amigo sobre a vida, e a corrpução da raça humana. Ele estava lastimoso pela situação da juventude. Lembro-me que a maioria das regras e limites que tenho na vida me foram dadas por este velho amigo, quase que um pai para mim. Eu poderia dizer que ele foi um verdadeiro mestre para meu crescimento como homem, e como pessoa.

As vezes ele pode até ter razão. Tudo anda muito corrompido mesmo. A vida anda muito difícil. As pessoas não tem mais nenhum escrúpulo para alcançar seus próprios interesses e objetivos. Tudo tem uma justificativa e no final, tudo é culpa do diabo. Ninguem assume responsabilidades.

Por estas razões toda esta semana e durante alguns dias vou dedicar a relembrar os ensimanento que ele me passou. A minha frase de hoje é uma homenagem a este velho amigo,e uma forma de dize-lo que de alguma forma a vida dele, as lutas dele não foi em vão.

A mensagem de hoje é o salmo 37.

Temporária a felicidade dos perversos.

Não te indignes por causa dos malfeitores,
Não tenhas inveja dos que praticam a iniquidade,
Pois eles dentro em breve definharão como a relva
e murcharão como a erva verde.
Confia no senhor e faze o bem,
Habita na terra e alimenta-te da verdade.
Agrada-te do senhor e ele satisfara os desejos do teu coração.
Entrega o teu caminho ao senhor, confia nele e o mais ele fará.
Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito como o sol ao meio dia.
Descansa no senhor e espera nele. Ñão te irrites por causa do homem que prospera em seu mau caminho, por causa dos que levam a cabo os seus maus desígnios,
Deixa a ira, abandona o furor. Certamente isso acabará mal.
Por que os malfeitores serão exterminados, mas os que esperam no senhor possuirão a terra.
Mais um pouco de tempo e já não existirá o imípio; procurarás o seu lugar e não o acharás.
Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundãncia de paz.
Trama o ímpio contra o justo, e contra ele ringe os dentes.
Rir-se-á dele o senhor, pois `vê estar aproximando o seu dia.
Os ímpios arrancam da espada e distendem o arco para abater o pobre e o necessitado, para matar os que trilha o reto caminho.
A sua espada porém lhe transpassará o próprio coração, e os seus arcos serão despedaçados.
Mas vale o pouco do justo, que a abundância dos ímpios.
Pois os braços dos ímpios serão quebrados , mais os justos o senhor os sustém.
O senhor conhece os dias dos íntegros, a herança deles permanecerá para sempre.
Não serão envergonhados nos dias do mal, e nos dia da fome se fartarão.
Os ímpios, no entanto, perecerão, e os inimigos do senhor serão como o viço das pastagens.
Serão aniquilados e se desfarão em fumaça.
O ímpio pede emprestado e não paga, o justo se compade e dá.
Aqueles a quem o senhor abençoa possuirão a terra; e serão exterminados aqueles a quem almadiçoa.
O senhor firma os passos do homem bom, e no seu caminho se compraz, se cair não ficará prostado, por que o senhor o segura pela mão.
Fui Moço e já agora sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem sua descendência a mendigar o pão.
É sempre compassivo e empresta e a sua descendência será uma benção.
Aparta-te do mal e faze o bem, e será perpétua a tua morada.
Pois o senhor ama a justiça e não desampara os seus santos.;
Serão preservados para sempre, mas a descendência dos ímpios será exterminada.
Os justos herdarão a terra e nela habitarão para sempre.
A boca do justo profere sabedoria, e a sua língua profere o que é justo.
No coração tem ele a lei do seu deus; e os seus passos não vacilarão.
O perverso expreita o justo e procura tirar-lhe a vida; mas o senhor não o deixará em suas mãos, nem o condenará quando for julgado.
Espera no senhor e segue o seu caminho, e ele te exaltará para possuires a terra; presenciarás isso quando o ímpor for exterminados.
Vi um ímpio prepotente a expandir-se qual cedro no líbano.Passei e eis que desaparacera; procurei-o e já não foi encontrado.
Observa o homem íntegro e atenta no que é reto, por quanto o homem de paz terá posteridade.
Quanto aos trangressores serão a uma destruídos, e a descendência dos ímpios será exterminada. Vem do senhor a salvação dos justos, ele é sua fortaleza no dia da tribulação.
O senhor os ajuda e os livra; livra-os dos ímpios e os salva, por que nele buscam refúgio.

Então pastor, Jaime Wolff, receba minha singela homenagem, por meu reconhecimento de vossa vida foi dedicado a luta por um mundo melhor. E que os nossos dias, todos os nossos dias e todas as nossas lutas jamais serão em vão.

Somos e seremos parte da história da luta da humamidade por dias melhores. Não decepcionaremos aqueles que deram suas vidas pela verdade, que dedicaram suas existências a fazer com que a humanidade acreditasse no bem, na virtude e no amor.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Casar é fácil. Díficil é construir um lar.

Casar é fácil. Díficil é construir um lar.
Para casar basta comprar duas alianças, fazer uma festa de noivado, um curso de noivos, alardear para os amigos, ir ao cartório e fazer o casamento. Alguns fazem na igreja, o que também não é díficil. Afinal, não se exige mais a virgindade da mulher. Pode se casar com o vestido que quiser, com a cor que quiser e está tudo bem, está tudo ótimo.

Para casar, nem é preciso mais, como diziam os antigos, ter casa. Inventaram o aluguel. Aluga-se uma casa, apartamento, barracão, qualquer coisa. Coloca-se se uma cama, um fogão, e pronto. Casa-se.

Construir um lar leva-se mais tempo. Construir um lar significa plantar as sementes da vida e da virtude. Para construir um lar é preciso que os candidatos homem/mulher se conheçam. É preciso que se passe tardes e fins de semanas juntos conversando, passeando de mãos dadas, ouvindo um do outro as formas de se viver e amar a vida. Sim, pois mesmo que ambos sejam do bem e acreditem no amor, é preciso ter harmonia na forma de amar. É preciso sintonizar as formas de sentir o suave toque a brisa, é preciso aprender a respirar juntos. É preciso que ambos se afinizem com a chama divina que existe em cada um de nós para que o futuro lar seja protegido das forças das trevas que produz as intrigas do dia-a-dia.
Para se constuir o lar é preciso haver um querer de ambos os lados. Mas não apenas querer. È preciso haver querer e disponibilidade. Hoje, muitas mulheres e muitos homens estão alquebrados de relacionamentos dos quais insiste em não se desapegar. Pessoas apegadas relacionamentoso passados não estão prontos para construção de um lar. Podem estar prontos para um casamento, querer ter filhos, construir patrimônimo, mas não estão prontos para um lar. Não se cosntrói um lar perguntando para um ex-namorado como agir nas novas situações. Constrói-se um lar entregando-se de corpo e alma ao amor que deve reger a cosntrução de um lar.
Quando era criança li uma mensagem do Padre Zezinho, que dizia que o lar que queremos cosntruir deve ser feito dia-a-dia, tijolo por tijolo. Na época trabalhava com meu pai de pedreiro, e por esta razão fiquei dias e dias vendo casas sendo construídas tijolo por tijolo. Aquela mensagem moldou minha crença sobre como deve ser construido um lar. Apenas uma coisa me escapou: é preciso ter a argamassa correta, os tijolos não podem estar estragados. E é preciso saber manejar o esquadro e o compasso. Do contrário as paredes ficam tortas, e no final tudo se desmorona.

A argamassa de um lar é o amor. As virtudes da tolerância, prudência, bondade, paciência, cuidado, e amizade. È preciso manejar bem o esquadro da retidão, da fidelidade e do respeito. Cada medida deve ser pensada, medida, pesada e alinhada.

Digo isso com a experiência de quem está no segundo relacionamento que pode ser considerado um casamento. Tenho duas filhas, uma de nove anos e outra de quatro anos. Cada uma de um relacionamento diferente.
Com a primeira mãe não vivi, por opção minha. Achava-me um homem moderno, poderia ser pai solteiro, até mesmo criar minha filha sozinho. Hoje, penso, quanto egoísmo e burrice. Três anos depois já professor universitário, vi que a vida é bem diferente dos folhetins dos revolucionários. A vida não permite invenções malucas, nem a natureza permite criações burlescas.

Quando a primeira filha estava com quatro anos consegui um acordo com a mãe, acordo díficil, porém útil a preservar o mínimo da saúde da filha. Então, foi que percebi que toda esta baboseira de guarda compartilhada, etc, etc, não é mais do que uma grande mentira que não preserva nem mãe, nem pai, nem filhos. Descobri pela dor que a única coisa que realmente preserva a dor de uma filha é a manuteção do lar, é a construção de um lar. Descobri que todo ser humano nasceu para crescer em um lar. Todo o estatuto da criança e adolescente deveria ser mudado. O único direito que deveria ser garantido a todas as crianças é o direito de serem criadas em um lar e amada por seus pais e mães.

Era uma noite de sexta feira e fui a cidade da minha filha buscá-la para passar férias comigo. Alegre por que estava na minha companhia e triste por que estava deixando a mãe para trás ela me disse:
- Pai, existem coisas na vida que nem fadinha consegue resolver né?
Eu, sem entender questionei: - o que por exemplo?

Ela respondeu: - Veja pai, eu amo a Maria Luiza, ela é minha irmã, se eu desejar que você fique com minha mãe você não vai poder ficar com a mae dela, e eu amo também meu irmãozinho, e se você ficar com minha mãe pra gente ter um lar, almoçar juntos, brincar, meu irmãozinho não ficar com o pai dele. Logo, a fadinha não pode fazer nada por mim.

Com dor no peito e quase chorando eu disse a ela que era possível buscar a harmonia entre as pessoas e que um dia talvez, no aniversário de 15 anos dela, eu conseguiria reunir as pessoas que ela ama, mesmo que por um momento na vida, ela teria um grande lar.

Com minha segunda esposa, eu não queria uma copulação, queria um lar. Pedi que ela me prometesse que nunca afastaria minha filha de minha pessoa. Acaba de terminar os cinco anos mais profundos da minha vida nos quais eu não tinha coragem de deixá-la unicamente por medo de sofrer com a distãncia da minha filha. Foram cinco anos nos quais tudo foi feito para que minha auto-estima fosse destruída. Ouvi diuturnamente que eu era o pior homem do mundo, que eu era fedorento, pobre e todos os impropérios possíveis. Hoje, eu sei que errei em ter acreditado que ela queria construir um lar. Hoje eu sei que quando uma mulher quer um determinado homem não há nada que ela possa receber que a faça querer outra coisa. Finalmente, começa meu segundo calvário: viver longe da minha segunda filha.

Felizmente obtive razão para acreditar que não sou um homem tão ruim quanto ela me convencia que eu era. Tive então forças de deixá-la. Confesso que tenho medo de me relacionar com qualquer mulher, e, que dói no meu peito apenas de lembrar alguns momentos vividos. Agora, depois que tudo passou, eu agradeço a deus por não ter feito nenhuma loucura, foi Deus quem dirigiu meus atos e atitudes, pois não entendo como suportei tantos impropérios e tanta dor. Quando a gente vive sozinho, faz-se qualquer coisa pra fugir da solidão. Hoje, sei que não vale a pena.

Aprendi que só é possivel deixar de ser sozinho quando se constrói um lar. Um lar é construído com amor, com carinho, com afeto, com tolerância, amizade, bondade, cuidados. Um lar é onde ansiamos por estar, por nos sentir seguros. Para se construir no entanto, um lar, é preciso o querer total de duas pessoas. Não é possível construir um lar com uma mulher que ama outro homem, que pensa o tempo todo neste outro homem, que liga dia sim e dia não para este outro homem. Um lar exige de ambos fidelidade. Fidelidade total.
E não é possível suprir a falta de fidelidade de um, sendo infiel de outro lado. Isso pode até manter por algum tempo o casamento, mas não mantém o lar. Não é possível ceder a práticas corrompidas de sexo, de formas de busca de prazer. Isso até pode manter um casamento, mas não mantém um lar, pelo contrário degrada o espirito e alma dos que estão envolvidos.

Aceitar o descuido com a casa, o descuido com a pessoa de qualquer dos conjugues, pode manter um casamento. Não mantém porém um lar. Uma casa descuidada, uma esposa que não recebe o marido chegando de viagem com um beijo e um abraço, que não sente prazer em cuidar dos pertences do marido não mantém um lar. Aceitar tal situação pode manter um casamento, não um lar.

Da mesma forma, um marido que não ouve a esposa, que não cuida, que não manda flores vez ou outra. Um marido que prefere estar com os amigos a estar com a familia, que não elogia a esposa e que não reconhece suas mais nobres qualidades. Aceitar isso como normal, pode manter um casamento, mas não mantém um lar.

Enfim, é possível sem amor manter um casamento. Não é possível, no entanto, manter um lar. Um lar onde um dos conjuges não acredita no amor, simplesmene este lar não existe mais. Pode até existir uma casa bem arrumada, contas pagas, mas sem amor não é possível fazer um lar existir. Um lar só é possível fazer existir com amor e com a presença de deus. Eu precisei viver longe de duas filhas que amo para entender isso. Não é possível construir um lar sem o amor recíproco de homem/mulher pai/mãe, e de forma triangular o amor de ambos por deus, pelos princípios e valores do amor divino. Apenas este é o caminho para proteger e cuidar bem dos filhos, dar a eles a segurança para que eles cresçam em virtude e evoluam espiritualmente nesta terra