Pesquisar este blog

sábado, 29 de janeiro de 2011

Obrigado, Senhor!!

Quando tinha nove anos de idade conheci um dos homens mais importantes na minha formação, o seu Joel Pinto de Barros. Um dia perguntei a ele se não sentia injustiçado com tantas coisas más e mentirosas que se falava na cidade a respeito dele, e, ele me respondeu: Filho, Eu não tenho mais nada a pedir a Deus, só tenho a agradecer.Olhe para mim, Nelson, quem sou eu? Jesus com 33 anos foi crucificado; Alexandre, morreu antes disso; Nelson Mandella está preso, Martim Luther King foi assassinado; Kenedy, e veja, eles eram e são melhores do que eu, e o mundo não teve piedade deles, por que eu vou querer que tenham piedade de mim?

Esta resposta sempre vem a minha mente em cada aniversário meu. É quando me sinto pequeno, é quando sinto que fiz tão pouco, e o quanto tenho recebido da vida e de Deus. Sim, hoje, neste momento em que completo 35 anos de vida ( é 35 mesmo, prezado leitor, meu registrado tem um ano de diferença), sou grato a Deus. E, talvez, finalmente eu começo a entender o que o Seu Joel, meu grande mestre tentou me ensinar. Hoje, tenho muito mais a agradecer do que a pedir.

Tantos homens passam pela vida e não possuem a alegria de trazer filhos ao mundo. Deus agraciou-me com duas filhas lindas, inteligentes, e, de bom coração. Uma de dez anos, embora distante, amo-a com todo meu coração e sinto-a em todos os momentos da minha vida. A outra, uma princesa que veio ao mundo para trazer alegrias e a razão de viver que faltava. Com o nascimento dela toda a minha vida se modificou e encontrei definitivamente a paz possível de se ter neste mundo.

Tantos homens nascidos como eu , na mesma terra, no mesmo lugar, já morreram vítimas de acidentes, das próprias escolhas, da falta de oportunidade. Tantos caíram pelo caminho, acabaram detrás das grades, caídos nas sargetas e em tantas outras situações tristes. Deus abriu todos os meus caminhos, atendeu as minhas orações, foi generoso comigo, e aqui estou como estou.

Tantos homens não conheceram o amor. Deus me deu a alegria de conhecer e sentir o amor. Não o amor mesquinho, mas o amor universal. O amor que tudo suporta, que é fogo que arde sem se ver, que é ferida que dói e não se sente; o amor que espera, o amor que serve, o amor que simplesmente ama. Tantos homens não conseguiram amar a si mesmos, não conseguiram se aceitar, sentir-se parte deste mundo.

Nada tenho a pedir, muito a agradecer.

Agradecer por todos os meus amores. Amores de irmãos, de amigos, de inimigos. Todos os amores são úteis quando nos sentimos amados por nós mesmos. Agradecer pelo amor da mulher amada, que nos indica o caminho da iluminação, da paz, da alegria profunda  e eterna da alma. Agradecer a Deus por a mulher que amo estar neste mundo, enquanto por tantos anos pensei que estivesse aqui sozinho. Agradecer por todos os amores e dos amigos, pois eu  não viveria sem eles.

Agradecer pela vida, por que a vida é a maior prova do amor de Deus por mim. O ar que respiro é a força da minha existência; o ar que alivia o calor dos dias, e aquece a alma quando nos sentimos vazios.
A  água que purifica nossa mente, nosso corpo e nossa alma. Ela que nos mantém vivo e traduz em si toda a força do Universo, que a tudo penetra e nada fica fora do seu alcance.
A terra, que produz o alimento que mantém nossa vida. Dela tiramos nosso pão, o sustentáculo do corpo, instrumento necessário a nossa existência neste plano.
Agradecer ao fogo. O fogo da provação  que nos ensina o caminho da retidão. O fogo do amor que aquece e as vezes queima nosso coração. O fogo da paixão que mantém acesa a nossa sede de viver.

Por fim, agradecer a Deus por todos os meus irmãos humanos. São eles os meus maiores mestres no caminho da minha regeneração, reintegração e unificação ao ser divino. Sem eles, nada sou, nada serei.

Obrigado senhor. Hoje, tenho tudo a agradecer, quase nada a lhe pedir. Só uma coisa lhe peço Senhor, Ensina-me o caminho da sabedoria, ensina-me o caminho do serviço aos meus irmãos, para que eu possa ser digno de ser chamado teu filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário