Pesquisar este blog

quarta-feira, 9 de março de 2011

O Demagogo



Olhe o sapo papudo, 
vestido de veludo, 
cantando a canção.
Sobe no palco,
diz algumas palavras,
recebe ovação...


Dá um grito, protesta,
Dá churrasco, libera festa,
ganha a multidão...


No ano seguinte,
abraça pedintes,
e candidata a eleição.


Com palavras de Otimismo,
"sem nenhum rancor"
diz: - vamos lutar, 
ganhando ou perdendo,
vamos viver com amor.


Passa-se o pleito,
esquece-se o respeito,
esquece-se o amor.
 Esquece o otimismo,
o abraço amigo,
o aperto de mão.


Cada um vai para o seu lado, 
corações machucados...
Só o que resta é baderna,
E joga-se na cisterna,
O futuro da nação.


Na eleição seguinte,
um se transforma em vinte.
Olha o papo do sapo,
o Sapo político.
O homem demagogo,
E sem coração.


(Poesia escrita no ano de 1994. Naquele ano na cidade de Divinópolis de Goiás Iris Rezende, Pedro Chaves e Filoneto José dos Santos, se mobilizaram pra que houvesse um candidato único na cidade. Lideramos uma mobilização envolvendo estudantes e históricos da cidade. Lançamos candidato e o que era para ser uma eleição de candidato único tornou-se uma das mais caras da história da cidade de Divinópolis. Eu fui candidato a vereador e tive a honra de receber inúmeros eleitores que choravam dizendo que não podiam votar em mim por que o Filó e o Deputado Pedro Chaves e o PMDB tirariam a cesta básica deles. Como resultado da minha atuação - ainda tive 39 heróicos votos, precisava de 90 pra me eleger - fui perseguido, perdi meu emprego na educação para qual eu havia selecionado por concurso público. Como todo mal se transforma em bem, acabei indo embora fazer faculdade o que contribuiu para hoje estar fazendo o doutorado. Esta poesia foi minha resposta  a conversa que tiveram comigo no intuito de me convencerem  a não incentivar a candidatura da oposição.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário