Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Tuas lembranças


Não penses que te esqueci, o querida minha!
Eu não te esquecerei jamais.
São nas noites mais frias, mais escuras e solitárias
Que tuas lembranças ficam tão fortes em mim,
Que já não sei se sou eu que me lembro de ti,
Ou se és tu que passas a viver a mim.

São devaneios sombrios nas caladas da  noite.
Sonhos noturnos que a mente delega  lembranças tolas;
Desejos latentes que não foram vividos;
Vontades imaginárias ouvidas à voz de um passado que ressoa.

Tudo, escravos da técnica, do concreto, da realidade.
Todos, amantes do erro, da mentira da falsidade.
Ficamos  nós, no profundo desejo de seguir adiante;
Presos, porém, na vontade tola de possuir uma consciência radiante.

Não, não te esquecerei jamais.
Teu conceito de grandeza, teus sonhos de  menina de olhar profundo;
Tuas quimeras sonhadas, abandonadas, nos seus desejos de mudar o mundo;
Tudo, tudo é meu alimento nestes cafezais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário