Pesquisar este blog

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Poesia para toda mulher que pasa...e que pensa que tem graça.


Nelson Soares dos Santos
Tive todas as mulheres que quis.
Tive-as todas quando eu quis ter.
Por isso não sou feliz nem infeliz.
Isto é apenas um bônus do viver.

Por isso mulher que adoidada passa.
Se olho para ti, não se  deixe levar por ledo engano.
Não pense que meu olhar te ameaça.
Não existem chances de ser a mulher que eu amo.

Por isso mulher que sôfrega, rouba meu tempo;
E, compras meus elogios com ares de graça.
Esqueço-te como esqueço o vento.
Que na tempestade traz todas as desgraças.

E tu mulher que insatisfeita vive as espreitas.
Tentando ter o que o marido não lhe provém.
Esqueça, sou campo seco, sou estrada estreita.
E, um miserável sem nenhum vitém.

O meu coração é terreno já cultivado.
Meu peito, meu ser, todo cheio de amor.
Sou homem que amou e já foi amado.
E  sabe que a vida é terreno cheio de dor.

E  tu, mulher, bonita e sorridente.
Se olhar para ti é a natureza que vejo.
E se vejo rosa, também vejo serpentes.
Um mar de insetos e  de percevejos.

Por isso,  mulher não me deixo enganar,
Mesmo que tentes, não podes prender-me,
Não és a mulher que nasci para amar.
Portanto, não há em ti que eu deseje ter.

Nada quero de ti se não lhe dei flores.
Por que uma flor vale uma vida.
E para a mulher que tenho amores....
Não ofereci  rosas, ofertei orquídeas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário