Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Conferência Política Nacional – O avanço da Democracia



Nelson Soares dos Santos[1]

Nos dias 11, 12 e 13 do corrente mês o PPS reúne em Brasília, filiados, dirigentes e simpatizante. O objetivo de fundo é um só: encontrar caminhos que permita fazer avançar o crescimento e desenvolvimento da nação e a democracia. O PPS, perdeu parlamentares, tornou-se menor nos últimos anos por que não cedeu a política clientelista e fisiológica que faz estragos  na sociedade brasileira. Por esta e outras razões o PPS não conseguiu ficar até o fim na base do Governo FHC; por esta razão o PPS não conseguiu ficar na base do Governo Lula, por esta razão o PPS vem denunciando as manobras do Governo atual  que coloca em xeque os valores democráticos pelos quais a sociedade brasileira tanto lutou. O PPS teve coragem de fazer autocrítica e aceitar que um novo mundo, uma nova era se iniciava com a queda do muro de Berlim e a desagregação da União Soviética; o PPS percebeu o momento auspicioso para o país na pessoa do presidente Itamar, homem que liderou o Brasil no processo de implantação do Plano Real, e que escolheu o PPS como sua última trincheira de luta.
O PPS, hoje pequeno pela quantidade dos seus mandatários, mas grande o suficiente para unir parlamentares em defesa do Brasil como foi, nos dois casos desta semana referente na questão dos municípios e da reforma política, quando conseguiu adiar que mais uma loucura fosse feita por aqueles que não tendo mais razão para acreditarem no futuro vendem a própria alma e a alma da nação; O PPS chama para o debate homens e mulheres que estão interessados em discutir o futuro do Brasil. Há diversas especulações e pela convocação o PPS realmente discutirá meios de se fortalecer, buscando até mesmo uma refundação no sentido de aproximar-se de um conceito de partido que consiga dialogar melhor com os movimentos sociais, a sociedade civil organizada e as demais forças políticas progressistas.  O Coletivo do PPS parece tomar consciência de que vivemos em uma ecologia espiritual, de que a terra e a humanidade são apenas uma unidade, que o congraçamento de todos os homens faz-se urgente e necessário.
Homens  e mulheres do PPS parecem cada vez mais compreender de que Educação é o investimento de maior importância para um país; e, que na contramão de investir em estádios grandiosos e preciso investir mais nos educadores, no cuidado com nossos jovens e futuras gerações. Entende que precisa muito mais dar a vara e ensinar a pescar que dar o peixe para homens famintos, mas que sonham em se tornarem sujeitos da história. Homens e mulheres do PPS acreditam cada dia mais que Saúde e Segurança são políticas públicas nas quais é imprescindível a presença do Estado para que o mesmo possa defender o cidadão da sanha  do lucro despropositado. Homens e mulheres do PPS acreditam que a sustentabilidade é muito mais que um discurso, é o único caminho possível de preservar o planeta e ração humana, e, por isso, o PPS luta por uma política ambiental que tenha como fundamento a preservação da própria raça humana na terra.

O PPS e a democracia em Goiás.

Em Goiás o PPS não busca caminhos diferentes. Apequenado por atos pouco admiráveis de alguns, homens e mulheres do partido luta com todas as forças para oferecer a sociedade um projeto que faça de Goiás um estado que o seu povo tenha orgulho e alegria de viver, um estado no qual o desenvolvimento é humanizado e não centralizado nas mãos de alguns poucos deixando o restante da população enfrentando a violência e a miséria. Por esta razão o PPS apoiou e participou dos avanços da política goiana nos últimos anos, sobretudo da Era Marconi. Agora, há homens e mulheres no PPS que é preciso reinventar a política goiana, é preciso dar passos mais largos no combate a violência, no respeito aos direitos humanos, na reforma urbana, no respeito a diversidade, no desenvolvimento de políticas públicas de segurança, saúde e educação que permita criar uma estrutura social balizadora de um desenvolvimento humanamente sustentável.
No campo da Educação entendemos que existe muito por fazer. A reestruturação das relações entre estados e munícipios pode ser um passo importante para fazer avançar a educação, mas isso só ocorrerá se  houver um aprofundamento da democracia colocando fim nas perseguições políticas que ocorre por todos os cantos do Estado. É preciso entender que a Educação é uma política de Estado e não de um partido e que educadores são homens e mulheres que prestam um dos mais relevantes serviços a sociedade, pois são eles que preparam as novas gerações para fazer a continuidade da história humana na terra. A primeira e mais importante mudança que  é preciso fazer no campo da Educação é a mudança da mentalidade da política em relação a Educação e não temer a possibilidade de se ter um povo educado e consciente.
No campo da saúde, segurança, reforma urbana e sustentabilidade, também precisamos de uma mudança de mentalidade ou de modelo. Não podemos pensar no estado como fonte de negócios e de lucros com fundamentos impublicáveis. A ecologia humana nos faz entender que é necessário um novo modelo de gestão nestas áreas. É preciso avançar,  é preciso entender que sustentabilidade não pode ser só um discurso, mas tem que ser uma prática e para isso, os governantes, precisa as vezes, enfrentar os grupos de interesses que na ânsia do lucros destroem até eles mesmo por que vencidos por uma ganância cega não conseguem ver nada no futuro.
É com esta vontade de mudança, e com este espirito de justiça que me preparo para ir a Conferência Política Nacional do PPS. Estou certo de que serão três dias de debates onde o futuro do Brasil estará em pauta e, a preocupação com o futuro da humanidade será o norteador das ações e discurso de todos nós. Não tenho dúvida de que sairemos fortalecidos. Um projeto de país só é construídos quando homens e mulheres se unem, definem um objetivo e utilizam toda a força de vontade possível para concretizar a vitória. Mais do que isso, como disse nosso saudoso Itamar Franco, tal força de vontade sem o espírito de Justiça não pode fazer grande uma nação por que a vontade sem justiça  faz-se perder os mais caros valores da democracia e por fim, enfraquece a vontade. O que está ocorrendo no Brasil é que a vontade de fazer um outro mundo possível foi dissociado do necessário Espirito de Justiça. É nosso dever resgatar as virtudes, os valores da democracia, dando vida ao Espírito de Justiça e tornando real o sonho de uma nação grande e que cuida dos seus filhos e contribui para preservação de toda a raça humana.




[1] Nelson Soares dos Santos é Pedagogo, professor Universitário, Mestre em Educação e Diretor Geral da Fundação Astrogildo Pereira em Goiás, Secretário Geral do PPS metropolitano e membro da Executiva Estadual do PPS.

sábado, 6 de abril de 2013

Um projeto de Desenvolvimento Humano e sustentável para o Brasil: Dez motivos para candidatura Própria.



Nelson Soares dos Santos[1]

Itamar Franco, o homem que teve a serenidade para encontrar novos rumos para o Brasil, no dia do lançamento do Plano Real iniciou sua fala com as seguintes palavras:
“Os homens são construídos pela vontade, e esta mesma vontade reunida pela esperança levanta as nações e as projeta no tempo em sua necessária aspiração a eternidade. A vontade, mais do que o vento, mais que as volúpias correntes marinhas trouxe as caravelas a esta terra, para em seguida abrir o caminho aos sertões empurrar a linha da Tordesilhas até a muralha ocidental das cordilheiras e edificar a mais importante das sociedades ao Sul do Equador. A esta vontade tão poderosa tem faltado ao longo dos séculos, e mais ainda, ao longo deste século outra e indispensável virtude, a virtude da Justiça. Desprovido do Espírito da Justiça os homens podem ser individualmente prósperos, mas não fazem ricas as nações, desprovidos de justiça que deve ser o instrumento prático ao dar equidade de valor ao trabalho e aos bens, a moeda perde o respeito dos homens, e longe de servir aos povos, corrompe a sociedade, desfaz os valores morais, destroça a esperança e enfraquece a vontade. Itamar Franco.
Nestes dias  11, 12 e 13 de Abril estaremos em Brasília. O Objetivo é nos unir aos companheiros de luta do Brasil inteiro para discutirmos os rumos do PPS para 2014. Fiquei muito feliz que a enquete colocada no portal do Partido foi concedida a possibilidade de se votar pela candidatura própria, e foi nela que eu votei; e aqui, meio que de chofre, de repente apresento algumas razões, pelas quais, penso, devemos todos lutar por uma candidatura própria do PPS para Presidente da República.  A razão principal é simples: O PPS é hoje um partido de esquerda, democrata, republicano e tem um projeto de desenvolvimento humano e sustentável que o torna diferente de todos os demais.
1. Valorizar o que já foi feito pelo Brasil pelo nosso Partido: Para perceber tal verdade basta analisar as ações e posições dos deputados  federais do PPS nos últimos quatro anos. Basta ler as notícias sobre como o PPS se posicionou na questão da Educação, Código Florestal, Reforma do SUS, A questão da Segurança, o Combate a Corrupção; e mais recentemente, a questão do Tráfico humano, a PEC das domésticas, a Indústria e o Comércio e a política de Comércio Exterior.
2. Na questão da Educação O PPS tem votado e lutado de forma coesa por uma reforma do Modelo da Política Educacional. Foi o único partido da oposição a defender e a lutar pelos 10 % do PIB para a Educação, pela alteração da Idade Escolar para 04 anos, por mudanças na forma de financiamento da Educação; e, o mais importante, o único partido no Brasil, no momento a tratar a Educação com um problema de todo partido e não de uma liderança isolada. No último congresso foi aprovado Resolução na qual todos os prefeitos eleitos pelo partido tratariam a Educação como campo imprescindível da construção dos instrumentos necessários a um novo modelo de desenvolvimento.
3. Na saúde, O PPS tem defendido com todas as suas forças o Sistema único de Saúde, para não permitir que de um lado o Governo o Sucatei, e de outro seja transformado em um espaço de busca do lucro desenfreado por parte dos empresários do Setor
4. Na questão do Tráfico Humano, brilhantemente, nossos deputados tem atuado e mostrado que a questão não é apenas  uma questão menor, mas que envolve uma falta de estrutura social adequada que dê aos nossos jovens esperanças de exercer a cidadania, e portanto, o combate ao tráfico humano é muito mais do que medidas policiais; mostra uma necessidade de fortalecer nossa rede de proteção social com construindo políticos menos patrimonialistas e que dê aos indivíduos a possibilidade de construírem sua própria história. O combate ao tráfico só terá sentido com um investimento em políticas públicas de seguridade social, Saúde pública de qualidade, Segurança e Educação.
5. A sustentabilidade. Quem não se lembra da atuação dos líderes do nosso partido na questão do Código Florestal. Que Marina que nada, O PPS é o verdadeiro e legítimo defensor da Sustentabilidade no Brasil. Para manter-se coerente o partido até perdeu membros da bancada federal. A luta for árdua, mas deu orgulho ver os nossos representantes defender o futuro do nosso planeta, lutar em defesa da própria humanidade com uma mentalidade internacionalista e não apenas pensando em soluções eleitoreiras.
6. A democracia. Muitos insistem em não perceber o aspecto profundamente democrático do PPS. A própria ideia de Rede nasceu no seio do PPS, e muito antes de surgir um partido com o nome “REDE”, o PPS já havia criado a Rede 23 com Instrumento de estabelecer uma conexão mais profunda entre o partido, os movimentos sociais e a Sociedade Civil Organizada. Talvez não tenhamos trabalhado com afinco, planejamento e de forma estratégica para se concretizar tal trabalho, mas isso não diminui a importância da iniciativa. Ter um partido Político o nome de “REDE”, não vai torna-lo diferente dos outros, o que nos torna diferentes é a prática dos nossos parlamentares e lideranças no dia a dia da política e da luta em defesa dos nossos valores republicanos.
7. O modelo de Desenvolvimento. Uma breve olhadela é suficiente para se ver a luta que tem travado os nossos principais líderes para mostrar ao Brasil os furos do modelo de desenvolvimento que o PT aplica ao nosso país. O retorno da Inflação vem sendo alertados há anos, e de forma intensa foi feita por Itamar Franco, o homem que mudou o Brasil e escolheu o PPS para concluir sua carreira política; o endividamento das famílias, a especulação imobiliária, a necessidade da reforma urbana, o fortalecimento do poder local e a discussão premente sobre o Pacto Federativo têm sido enfrentados cotidianamente e sem subterfúgios.
8. O combate a Corrupção. Qual partido tem sido mais coerente no combate a corrupção? Sempre tivemos a coragem de colocar os interesses do país acima dos interesses de crescimento do próprio partido, foi assim no Governo FHC, foi assim no Governo Lula ( tendo sido o primeiro partido a denunciar corrupção no Governo Lula), foi assim recentemente nos últimos episódios, sobretudo no episódio Cachoeira no qual o partido não poupou esforços para dar uma contribuição a uma investigação verdadeira e profunda que mostrasse os verdadeiros laços de corrupção e sua profundidade.
9. Os movimentos Sociais. O PPS tem hoje as melhores propostas para os movimentos sociais no Brasil. Seja no campo da Juventude, de mulheres, do movimento negro, agrário e na defesa dos trabalhadores sindicalizados o PPS propugna sempre pelo equilíbrio, pelo diálogo, pela busca de relações justas que propicie condições para  construção de um modelo social onde todos tenham oportunidades de crescer, desenvolver e tornar-se sujeito de sua história.
10. O combate à miséria. Para o PPS o combate à miséria é muito mais que doar uma bolsa alguma coisa para os cidadãos que precisam. Para o PPS o combate a miséria se faz aliando uma forte infra-estrtura social com mudanças profundas em todas as políticas públicas ( Assistência Social, Segurança, Saúde e Educação), dando aos indivíduos não apenas condição de matar a fome, mas dando-lhes consciência da própria existência. O PPS, não combate apenas a miséria que mata o corpo mas, e muito mais, a miséria que escraviza as mentes e mata a própria alma. O PPS quer que o Brasil tenha cidadãos e não apenas eleitores.
Estes são dez motivos pelos quais votei na enquete pela candidatura própria do PPS. Não é um desejo extemporâneo, não pensado. É uma forma de respeitar o trabalho feito pelos nossos representantes parlamentares nos últimos quatros anos, nos quais acompanhei diuturnamente as ações e o trabalho feito. Não levar até a sociedade este projeto agora, não mostrar a nossa cara, seria não apenas falta de coragem; seria mesmo uma contradição diante de tantas perdas para se mantiver a coerência e o respeito pelos valores democráticos e republicanos de nosso país. Um partido grande não se faz sempre pelo seu tamanho, mas também por suas ideias, força de vontade e espírito de Justiça. Itamar Franco apoiaria esta ideia.


[1] Nelson Soares dos Santos é Pedagogo, Professor Universitário, Mestre em Educação Brasileira, Diretor Geral do Fundação Astrogildo Pereira  - ( Regional Goiás), Secretário Geral do PPS de Goiânia e Membro da Executiva da Direção Estadual do PPS Goiás.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Nota de Esclarecimento sobre a Matéria do Jornalista Renato Dias no Diário da Manha de 04/04/2013



Nelson Soares dos Santos[1]

Diário da Manhã,  publicou uma matéria no dia 04 de abril que emite ideia de ser uma entrevista com um dirigente do partido membro da Executiva Estadual, sobre a relação do PPS com o Governo e o Imbróglio envolvendo o atual Secretário de Estado da Cultura.  É preciso esclarecer,  naquilo que me diz respeito e ao meu nome, que o PPS tem trabalhado nos últimos dois anos para construir um projeto de desenvolvimento humanizado, sustentável e arrojado para o Estado de Goiás, e como parte deste esforço temos nos movimentado para resolver obstáculos que possam impedir o partido de crescer, sendo que a relação do atual secretário com o coletivo do partido é uma delas, portanto:
1. De posse da informação que  a Secretaria de Cultura era cota do PPS, passada pelo próprio Governador em Audiência, o partido reuniu sua direção e de forma soberana, conscientes dos possíveis desdobramentos decidiu que deveríamos mudar o representante do partido no governo, por que  o atual não representa mais os anseios do partido, e que por isso, não deverá continuar como Secretário de Estado se o Governador estiver disposto a confiar o tal cargo ao PPS. Na Votação, apenas cinco membros da Executiva de 17 membros votaram pela possível permanência do atual nome. Deve se esclarecer que chegou-se a tal impasse pelo distanciamento político que houve entre o Secretário e os dirigentes partidários que contribuiu para travar o crescimento do Partido no Estado.
2. Em seguida foi feita uma votação para elaborar uma lista que deveria ser tríplice , conforme, segundo os dirigentes que estiveram na audiência, foi combinado, seria enviada ao Governador, da qual,  o mesmo nomearia o representante do PPS para gerir a SECULT.  Ressalte-se que o Governador ponderou que os nomes enviados deveriam ter  perfil e qualificação para o cargo.  Para a elaboração da lista foi decidido em reunião que cada votante escolheria três nomes. Sendo assim, André Luiz de Almeida obteve 12 votos, Nelson Soares dos Santos ( o signitário desta), obteve 11 votos; João Dias e Antônio Almeida obtiveram cada um 10 votos. Para evitar que fosse feita uma nova votação e, sendo Antônio Almeida, apresentado por Darlan Braz,  e  sendo João Dias, tesoureiro do Diretório Estadual, o Presidente Demilson Lima propôs que se enviasse a lista com os quatros nomes, dando ao Governador total liberdade para fazer a escolha que melhor aprouvesse a boa gestão do Governo.
3. Devo esclarecer que a matéria indica que sou um “militante”. É verdade. Entretanto, além de militante devo lembrar que sou Diretor da Fundação Astrogildo Pereira ( Fundação Cultural do Partido em Goiás), Secretário Geral do Partido na Cidade de Goiânia e membro efetivo da Direção Estadual sendo o responsável pela Formação Política do partido. Além disso, sou professor Universitário com licenciatura plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Tocantins, Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Goiás e um Doutorado incompleto pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Sinto-me, portanto qualificado para assumir qualquer função pública nas áreas afins de minha qualificação na estrutura do Estado. Claro que só o fato de ter o nome na lista já é uma grande honra, como é uma grande honra ser um militante do PPS. Caso venha a ser contemplado será uma honra ainda maior por que estaria plainando os caminhos para um dia poder trabalhar mais pela melhoria da vida do povo do meu Nordeste Goiano.
4. Não é cultura do PPS afastar ou aderir a um governo apenas por causa de cargos como tenta fazer entender a matéria. E não creio que nenhuma liderança do partido no Estado vai pautar a decisão de continuar ou deixar de ser aliado do Governador apenas por causa de cargos. E não creio que tal postura se houver, representa a maioria dos dirigentes e militantes do PPS goiano. A continuidade do partido na base do Governador ou não, não está em discussão.  Quando aceitei ter o meu nome na lista não foi com o objetivo de criar constrangimentos ao Governador, mas de contribuir para encontrar uma solução para uma situação que se tornou insustentável que é a representação do partido no Governo. Nossa posição é de ajudar o partido a ser forte e o que defendemos para Goiás é um projeto de desenvolvimento humanamente sustentável e será sempre este princípio que norteará nossas posições políticas. Impaciência nunca foi boa conselheira.
5. O PPS não se resume a Goiânia e a Secretaria de Cultura. Administramos uma prefeitura grande ( Planaltina com Vilmar Caitano), duas outras prefeituras ( Agua Fria e Ivolândia) , cinco vice- prefeitos, sendo Morrinhos e Rio Verde, duas maiores. Somos 61 vereadores e temos direção organizada em mais de 100 cidades. Mudar os rumos do partido ( ser aliado ou oposição ao Governo) não pode ser uma discussão feita de forma irresponsável. Temos consciência da responsabilidade que temos com a vida das pessoas e uma vida que seja é mais importante do que o que está em discussão.

Por fim torço para que o Governador  reconheça a contribuição do PPS e compreenda  as decisões internas do partido, e suas motivações, que vão muito além de uma briga tão pouco republicana como vem sendo tratada.  No momento adequado, se for colocado em discussão o afastamento do Governador, ou rompimento, ou seja, o que seja, teremos a responsabilidade de dialogar com o coletivo partidário e encontrar a melhor solução para o partido servir ao povo goiano e a sociedade brasileira.





[1] Nelson Soares dos Santos é pedagogo, Mestre Em Educação, Diretor Geral da Fundação Astrogildo Pereira em Goiás, Secretário Geral do Partido na Cidade de Goiânia e Membro da Executiva Estadual do PPS Goiano.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Ja -qu - e - linda






Já que é lindo viver.
Já que a vida tem sabor,
Já que és forte no sofrer.
Dê-me linda, o teu amor.

Já que, é linda a vida.
Já que, a tempestade varre o mar,
Já que, suave, sopra a brisa,
Deixa-me em teus braços balançar.

Já que, é linda e bela a vida.
Já que, é linda, viver.
Já que, o mar não rejeita a brisa,

Deixa-me viver com você.