Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Conferência Política Nacional – O avanço da Democracia



Nelson Soares dos Santos[1]

Nos dias 11, 12 e 13 do corrente mês o PPS reúne em Brasília, filiados, dirigentes e simpatizante. O objetivo de fundo é um só: encontrar caminhos que permita fazer avançar o crescimento e desenvolvimento da nação e a democracia. O PPS, perdeu parlamentares, tornou-se menor nos últimos anos por que não cedeu a política clientelista e fisiológica que faz estragos  na sociedade brasileira. Por esta e outras razões o PPS não conseguiu ficar até o fim na base do Governo FHC; por esta razão o PPS não conseguiu ficar na base do Governo Lula, por esta razão o PPS vem denunciando as manobras do Governo atual  que coloca em xeque os valores democráticos pelos quais a sociedade brasileira tanto lutou. O PPS teve coragem de fazer autocrítica e aceitar que um novo mundo, uma nova era se iniciava com a queda do muro de Berlim e a desagregação da União Soviética; o PPS percebeu o momento auspicioso para o país na pessoa do presidente Itamar, homem que liderou o Brasil no processo de implantação do Plano Real, e que escolheu o PPS como sua última trincheira de luta.
O PPS, hoje pequeno pela quantidade dos seus mandatários, mas grande o suficiente para unir parlamentares em defesa do Brasil como foi, nos dois casos desta semana referente na questão dos municípios e da reforma política, quando conseguiu adiar que mais uma loucura fosse feita por aqueles que não tendo mais razão para acreditarem no futuro vendem a própria alma e a alma da nação; O PPS chama para o debate homens e mulheres que estão interessados em discutir o futuro do Brasil. Há diversas especulações e pela convocação o PPS realmente discutirá meios de se fortalecer, buscando até mesmo uma refundação no sentido de aproximar-se de um conceito de partido que consiga dialogar melhor com os movimentos sociais, a sociedade civil organizada e as demais forças políticas progressistas.  O Coletivo do PPS parece tomar consciência de que vivemos em uma ecologia espiritual, de que a terra e a humanidade são apenas uma unidade, que o congraçamento de todos os homens faz-se urgente e necessário.
Homens  e mulheres do PPS parecem cada vez mais compreender de que Educação é o investimento de maior importância para um país; e, que na contramão de investir em estádios grandiosos e preciso investir mais nos educadores, no cuidado com nossos jovens e futuras gerações. Entende que precisa muito mais dar a vara e ensinar a pescar que dar o peixe para homens famintos, mas que sonham em se tornarem sujeitos da história. Homens e mulheres do PPS acreditam cada dia mais que Saúde e Segurança são políticas públicas nas quais é imprescindível a presença do Estado para que o mesmo possa defender o cidadão da sanha  do lucro despropositado. Homens e mulheres do PPS acreditam que a sustentabilidade é muito mais que um discurso, é o único caminho possível de preservar o planeta e ração humana, e, por isso, o PPS luta por uma política ambiental que tenha como fundamento a preservação da própria raça humana na terra.

O PPS e a democracia em Goiás.

Em Goiás o PPS não busca caminhos diferentes. Apequenado por atos pouco admiráveis de alguns, homens e mulheres do partido luta com todas as forças para oferecer a sociedade um projeto que faça de Goiás um estado que o seu povo tenha orgulho e alegria de viver, um estado no qual o desenvolvimento é humanizado e não centralizado nas mãos de alguns poucos deixando o restante da população enfrentando a violência e a miséria. Por esta razão o PPS apoiou e participou dos avanços da política goiana nos últimos anos, sobretudo da Era Marconi. Agora, há homens e mulheres no PPS que é preciso reinventar a política goiana, é preciso dar passos mais largos no combate a violência, no respeito aos direitos humanos, na reforma urbana, no respeito a diversidade, no desenvolvimento de políticas públicas de segurança, saúde e educação que permita criar uma estrutura social balizadora de um desenvolvimento humanamente sustentável.
No campo da Educação entendemos que existe muito por fazer. A reestruturação das relações entre estados e munícipios pode ser um passo importante para fazer avançar a educação, mas isso só ocorrerá se  houver um aprofundamento da democracia colocando fim nas perseguições políticas que ocorre por todos os cantos do Estado. É preciso entender que a Educação é uma política de Estado e não de um partido e que educadores são homens e mulheres que prestam um dos mais relevantes serviços a sociedade, pois são eles que preparam as novas gerações para fazer a continuidade da história humana na terra. A primeira e mais importante mudança que  é preciso fazer no campo da Educação é a mudança da mentalidade da política em relação a Educação e não temer a possibilidade de se ter um povo educado e consciente.
No campo da saúde, segurança, reforma urbana e sustentabilidade, também precisamos de uma mudança de mentalidade ou de modelo. Não podemos pensar no estado como fonte de negócios e de lucros com fundamentos impublicáveis. A ecologia humana nos faz entender que é necessário um novo modelo de gestão nestas áreas. É preciso avançar,  é preciso entender que sustentabilidade não pode ser só um discurso, mas tem que ser uma prática e para isso, os governantes, precisa as vezes, enfrentar os grupos de interesses que na ânsia do lucros destroem até eles mesmo por que vencidos por uma ganância cega não conseguem ver nada no futuro.
É com esta vontade de mudança, e com este espirito de justiça que me preparo para ir a Conferência Política Nacional do PPS. Estou certo de que serão três dias de debates onde o futuro do Brasil estará em pauta e, a preocupação com o futuro da humanidade será o norteador das ações e discurso de todos nós. Não tenho dúvida de que sairemos fortalecidos. Um projeto de país só é construídos quando homens e mulheres se unem, definem um objetivo e utilizam toda a força de vontade possível para concretizar a vitória. Mais do que isso, como disse nosso saudoso Itamar Franco, tal força de vontade sem o espírito de Justiça não pode fazer grande uma nação por que a vontade sem justiça  faz-se perder os mais caros valores da democracia e por fim, enfraquece a vontade. O que está ocorrendo no Brasil é que a vontade de fazer um outro mundo possível foi dissociado do necessário Espirito de Justiça. É nosso dever resgatar as virtudes, os valores da democracia, dando vida ao Espírito de Justiça e tornando real o sonho de uma nação grande e que cuida dos seus filhos e contribui para preservação de toda a raça humana.




[1] Nelson Soares dos Santos é Pedagogo, professor Universitário, Mestre em Educação e Diretor Geral da Fundação Astrogildo Pereira em Goiás, Secretário Geral do PPS metropolitano e membro da Executiva Estadual do PPS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário