Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Corpo e Alma

Corpo e Alma

Nelson Soares dos Santos
Amei-te com desejos dos animais impuros;
Que de forma selvagem rompe o sol das manhãs;
Em corpos suados de dias escuros;
Desfrutando os sabores das mais doces maçãs.

Dos reinos inferiores o teu  corpo é doçura suave e perfeita.
Faz do mineral a mais bela jóia que te enfeita;
Do  reino vegetal, a cama mais erótica onde tu deitas
E te elevas na mente, pelos sonhos, nos quais me enleias.

Quem poderias te ver para além do teu corpo?
Sem que em tuas curvas pudesse se perder?
Eu vi tua alma em prisão amorfa
E em dor profunda me deixei envolver.

Não. Não foi teu corpo que amei na cozinha.
Foi tua alma ansiosa de liberdade e sozinha.
No esforço de libertá-la de prisão tão daninha.
Eu sabia que libertaria a tua, e também a minha.

Do que vale a vida se só o corpo fala?
Se a alma é prisioneiro de um corpo que adoece?
De que vale os prazeres se os gritos da alma..
É lutar contra a escuridão de um dia que não amanhece?

Segurei em tuas mãos em toda noite fria.
E aqui estou na dor da transposição.
Quando o corpo começa a morrer de agonia
E a alma fala em poesia por meio do coração.


O marido e o Amante



Nelson Soares dos Santos

A vida vivida na luz é a vida do olhar
Todos podem saber, e apenas eu posso me envaidecer.
Os outros foram ladrões que no escuro e as escondidas roubaram momentos seus
Eles não podem contar, sentem vergonha e com a consciência no Breu.

Eu olhei-te todos os dias. E contemplei cada mudança em seu corpo.
Não tinha pressa. Eu não era o amante. Era o companheiro das horas mais densas e doloridas, nas quais o celular podia ficar desligado.
Os outros estavam sempre correndo. E tinham medo de serem surpreendidos. Eu não tinha pressa, e tinha orgulho de ser visto ao seu lado.
Eu sei que fui enganado. Sim, e nada devo. Não conheço ninguém que tenha sido roubado que tenha consciência culpada. Os ladrões, estes sim, todos os dias perdem o sono e remoendo na cama brigam com travesseiro.
Tantos deles brigaram com o travesseiro enquanto você tranquilamente dormia e meu peito.
Eu tinha tua vida em minhas mãos. E tanto tinha que morria de medo de que eu a pegasse com outro e viesse a tirar tua vida. O que tu não sabias é que nunca me senti dono de ti, por que nunca me senti dono de nada. Tu eras sempre livre e sempre foi esta razão que te sentias impelida a voltar. Com os outros tu tinhas momentos de loucura. Só do meu lado tudo podias ter o que sabias ser um Lar.



quinta-feira, 26 de novembro de 2015

As dez Leis da evolução moral e espiritual segundo o Espiritismo Kardecista.


A primeira Lei é a Lei da Adoração. Segundo ela, o homem deve sempre elevar o seu pensamento a Deus e através disso se aproxima de Deus
Adora-se a Deus por meio da meditação, contemplação, prece e sacríficios.
A segunda lei é a Lei do Trabalho: Todo homem deve prover seu próprio sustento.
A Terceira Lei é a Lei da Reprodução. Os indivíduos deve se reproduzir por meio do casamento evitando a poligamia, a perversão e a permissividade.
A quarta Lei é a Lei da Conservação. Segundo ela devemos trabalhar, produzir mas conservar tudo que é e faz parte da natureza. Não utilizando nada supérfluo, vivendo apenas com o necessário, e conservando ao máximo o próprio corpo físico que instrumento de evolução da alma
A quinta Lei é a Lei da destruição. Segundo ela devemos encarar com naturalidade guerras, flagelos da natureza, e tudo que significa morte, entretanto, jamais devemos entrar em duelos, provocar guerras ou de qualquer forma provocar a destruição.
A sexta Lei é a Lei da Sociedade. Segundo ela somos seres gregários e a familia é a base da nossa evolução moral e espiritual.
A Sétima Lei é a Lei do Progresso. A humanidade e todos seres humanos marcham sempre para o progresso, a evolução moral e espiritual...não há retrocesso. Estamos sempre seguindo adiante.
A oitava Lei é Lei da Igualdade - Todos somos iguais, e Deus é Justo, portanto toda desigualdade aparente é apenas produto da evolução moral e ou espiritual, provas, expiações ou missão de cada alma encarnada.
A Nona Lei é a Lei da Liberdade. Todos somos livres, para pensar, de consciência, livre arbítrio...e devemos assumir as consequências de nossos atos.
é também conhecida como Lei da semeadura.
e a Décima Lei - Lei da caridade do amor e da Justiça. - Incluído ai o amor filial-paternal, a justiça divina, explicada no livro O céu e inferno.