Pesquisar este blog

terça-feira, 8 de maio de 2012

Um discurso ao Meu Partido – O PPS, e ao Povo Brasileiro


Nelson Soares dos Santos

Senhores e Senhoras, Dirigentes do meu Partido, filiados e simpatizantes, e todo povo brasileiro.

O destino, senhores, este mais cruel mistério da natureza, é o que muitas vezes dirige nossas ações. E quando, tentamos dele nos libertar, e não conseguimos o controle , o domínio de todas as coisas, e é o que quase sempre acontece a todo o ser humano, somos obrigado, nas condições mais bizarras, cumprir com o nosso dever. Foi este destino, este mistério ainda desconhecido, que quase sempre na história, colocou homens desconhecidos no  centro da história. E quando chega um momento assim, nenhum homem com consciência da existência pode se furtar a luta, ou ao cumprimento do dever para o qual alerta a consciência.

O Brasil vive um momento no qual não podemos nos furtar a luta. O destino deste país é ser uma nação rica e poderosa, e mais de uma vez,  já esteve em seu caminho. E, mais uma vez, corre o risco dele se desviar, se já não se desviou de forma lenta e perigosa, por que sutil e mascarada. O destino desta nação é ser uma país democrático, humanista, com valores de respeito a vida, a paz, contribuindo assim, decisivamente para humanidade dar passos largos rumo a construção da paz universal.

Faz menos de vinte anos que vivíamos por aqui um ambiente de total insegurança, de temor, de injustiça, provocado pela crise da moeda, pela alta inflação que corroía os salários, e roubava do trabalhador o pão de cada dia. Já quase não se ouve os clamores de tal epóca, e a memória histórica parece ser surrupiada das novas gerações, roubando delas a retidão do caminho ora escolhido. Eu estou falando a todos, de um homem, que com serenidade e responsabilidade teve a sabedoria e a coragem de mudar o destino das novas gerações. Muitos falam de estabilidade do real e se esquecem dos seus fudamentos. O momento vivido pela economia brasileira não é resultado apenas de processos econômicos, mas da responsabilidade para com a democracia, o humanismo e todos o valores do povo brasileiro. São estes valores, que vejo se esvaindo, e junto com eles, pode estar se esvaindo todos os fundamentos, e desviando nossa nação do caminho para se tornar uma nação rica.

Para que entendam o que quero dizer, relembro a todos, um dos discursos mais célebres de um presidente da república nos últimos cinquénta anos, pois, é o único discurso, que produziu resultados práticos e mudou a vida dos brasileiros, abriu o caminho para a redução das desigualdades sociais, e para uma nova etapa da história. Este discurso, senhoras e senhores, dirigentes do meu partido, e moços e moças de todo o Brasil, é o Discurso do Presidente Itamar Franco, realizado no dia do lançamento do plano real. Leiamos a introdução do referido discurso:

"Os homens são construídos pela vontade. E esta mesma vontade reunida pela esperança, levanta as nações e as projeta no tempo em sua necessária aspiração a eternidade. A vontade, mas do que o vento, mas do que as volúpias correntes marinhas, trouxe as caravelas a esta terra para em seguida abrir os caminhos aos sertões, e cruzar a linha de tordesilhas, até a muralha ocidental da cordilheira e edificar a mais importante das sociedades do equador..... A esta vontade tão poderosa, tem faltado ao longo do século, e mais ainda ao logo de este século outra e insdipensável virtude,  a virtude da justiça. Desprovido do espirito de justiça os homens podem ser individualmente prósperos, mas não podem fazer uma ricas as nações. Desprovidos de justiça que deve ser o instrumento prático ao dar equidade de valor aos trabalhos e aos bens, a moeda perde o respeito dos homens, e longe de servir aos povos, corrompe a sociedade, desfaz os valores morais, destroça a esperança e enfraquece a vontade.”

O que vemos acontecer desde o Governo FHC, que sucedeu a Itamar Franco, é um desvio deste caminho escolhido. A estabilidade da moeda que era pra ser uma conquista de todo povo brasileiro, foi usada para conquistar a reeleição; o que era para ser instrumento de justiça, tornou-se instrumento de manutenção do poder. Logo em seguida, outros que antes, tanto criticaram o plano real, a ele aderiram, com um falso discurso ético para, por meio de a estabiliade alcançar o poder, mas sem os fundamentos que a nação exigia para continuar no caminho de construção de uma nação rica e justa, por que lhes faltava a ética e a transparência, como ficou claro, nos diversos escândalos do Governo Lula.

Escândalos e mais escândalos, recheados de traições, com uma profunda da negação da justiça vem fazendo enfraquecer a vontade do povo brasileiro, a mesma vontade citada por Itamar Franco, que levou os caras pintadas a rua, e criou condições sociais para a execução de um plano, que contou a união de todo povo brasileiro para resgatar a confiança da moeda brasileira, e mais, ainda, resgatar a confiança do povo, a instituição de um desenvolvimento com bases seguras. É desta vontade que precisamos agora falar. Como naquele dia, é desta vontade que precisamos fazer uso, uma vontade forte, uma vontade que constrói os homens, aliado ao espírito de justiça e a esperança, e que une a todos, na busca da felicidade.

O momento atual, exige de todos nós um compromisso com a ética e a transparência, com os valores de respeito e defesa da vida, o compromisso com a justiça. O que vemos, é que a estabilidade da moeda tornou muitos brasileiros individualmente prósperos, mas não estancou a corrupção, pelo contrário, estamos vendo o povo sendo corrompidos, crimes sendo tratados com naturalidade, e nos permitindo esquecer o que disse, nosso memorável presidente Itamar. “Toda crise financeira relaciona-se com as crises políticas e as crises morais”, e, ao não perceber a força desta verdade, não conseguiu ver, escrito diante de nós em letras garrafais, que a crise moral que o país enfrenta que a corrupção deslavados a que tantos agentes públicos estão envolvidos é a semente maliga de futuras crises financeiras, e de desestabilização social.

A estabilidade da moeda, o modelo de desenvolvimento seguro implantado pelo plano real, trouxe riquezas e prosperidade individual, mas não trouxe, sequer na mesma proporção, a justiça ansiada pelos milhões de brasileiros. E por não ter sido acompanhado pelo espírito de justiça, motivado pelos maus exemplos dos líderes de dirigentes do país, que vencidos pela ganância, envolvidos pelos vícios tão caros a natureza humana, é esta mesma riqueza que contribuiu para o enfraquecimento da vontade do povo, tornando a desonestidade uma coisa normal e generalizada, o uso da propina como facilitador da vida, e em suas consequências maiores, os grandes escândalos que vem varrendo todo país. É inadmissível que governadores de Estado, senadores da república, parlamentares que dirigem o destino da nação, estejam envolvidos em situações criminosas, de desvios de verbas públicas, que na prática, contribui para deixar na miséria e na inanição milhares do nosso povo. As principais vítimas são os usuários da serviços públicos de sáude, segurança e educação, serviços estes, tao caros a qualidade de vida e  ao desenvolvimento espiritual do nosso povo.

Somente uma vontade forte, vinda do povo, da alma do povo, capitaneada por líderes comprometidos será capaz de deter tal situação. Urge que construamos trincheiras de lutas em torno da defesa da Educação Pública de qualidade, uma educação que longe de ser um negócio, seja um instrumento de desenvolvimento da pessoa humana, e de enriquecimento espiritual do povo. Saúde e segurança, também deverão ser vistos como investimento, pois é condição inprescindível para que o povo tenha tranquilidade e condições de exercícios do mais alto potencial.

O nosso partido, O PPS, Partido Popular Socialista, é um partido que tem todas as condições de assumir a responsabilidade, de neste momento crucial, indicar os caminhos possíveis para que a sociedade brasilieira retome sua força de vontade, vontade de ser uma não rica e justa, com valores morais humanistas de justiça e de paz. Para tanto, não podemos fugir a esta responsabilidade, e, não é por menos, e não é pouco simbólico, que o mesmo homem que entendeu o caminho de recuperação da confiança da moeda brasileira, que viu que por trás da moeda e da riqueza, existe os valores morais e o espírito de justiça como fundamentos de uma grande nação, tenha escolhido o PPS, para terminar sua carreira política. Somos, nós, os responsáveis por ajudar este pais a recuperar o verdadeiro sentido do plano real, o sentido da busca da força de vontade do povo, como instrumento de um desenvolvimento seguro, humanista e democrático.

Nestas eleições de 2012, em cada municipio onde tenha nossa bandeira, onde exista um filiado e ou simpatizante,  deveremos estar todos empenhados, não apenas em forjar novas lideranças, mas sobretudo, no trabalho de alertar cada brasileiro da necessidade de não se desviar do caminhos que pode transformar uma nação em uma nação rica. Não é a prosperidade individual que deve ser busca, é, sobretudo, a prosperidade coletiva, o desenvolvimento do espírito de justiça, onde, a moeda ou a riqueza seja um instrumento de equidade entre todos. Uma vez mais devemos lembrar-nos das palavras do saudoso Itamar. “ O real é uma politica conquista de todo o povo brasileiro, exaustos das injustiças que a inflação agrava e disposto a fazer a pátria com a qual sonharam nossos antepassados. Só o povo, com a sua vigilância e seu empenho ético poderá assegurar êxito permanente.”. Tais palavras deve ecoar em todos os cantos deste país, em todos os corações, para que não desanimemos diantes dos escândalos, para que não votemos nulo, e antes, façamos das decepções a lição necessária para aprendermos todos juntos, o aperfeiçoamento de nossa democracia.

sábado, 5 de maio de 2012

Manifesto de dirigentes e filiados do PPS de Goiás sobre a Operação Monte Carloe o Governo Marconi Perillo

Manifesto de dirigentes e filiados do PPS de Goiás sobre a Operação Monte Carlo e o Governo Marconi Perillo



Nós dirigentes e filiados do PPS em Goiás:


Conscientes de que a secretaria de Cultura do Estado de Goiás é ocupada por um filiado e dirigente regional do partido Sr. Gilvane Felipe;


Conscientes da gravidade das notícias veiculadas na mídia quanto ao envolvimento de agentes públicos com a contravenção, tendo já sido citados o Governo de Goiás, Rio de Janeiro e Distrito Federal;


Conscientes de que é nossa responsabilidade como dirigentes partidários ajudar a manter a ordem social, promovendo o desenvolvimento da sociedade rumo ao aprofundamento da democracia, do humanismo e do desenvolvimento da pessoa humana;


Conscientes de que todo individuo acusado é conferido o direito de se defender com ampla defesa, ser ouvido e dar todas as explicações necessárias;


Declaramos:


É grave a situação da Prefeitura de Anápolis governada pelo Partido dos Trabalhadores, que teve recentemente vereadores presos pela Operação da Polícia Federal, complementar a Operação Monte Carlo que investiga a Máfia do Jogo do Bicho em Goiás e seus tentáculos no poder Público;


É igualmente grave a situação do Estado de Goiás, a julgar pelas gravações já publicadas das escutas feitas pela Polícia Federal, quando fica claro o envolvimento de Membros do Alto Escalão do Governo com o Bicheiro Carlinhos Cachoeira, que, pelo visto, causou profundos prejuízos ao poder público e a Sociedade; no caso do governo estadual, o afastamento de alguns citados, com a Chefe de Gabinete do Governador, Eliane Pinheiro; o Presidente do Detran, Edivaldo Cardoso, não é suficiente para demonstrar o compromisso do Governador com a lisura e a transparência.


Ainda mais grave é a aparição de negociatas para controlar os partidos políticos em Goiás, a partir, da corrupção de alguns de seus líderes, como no caso noticiado do PRB, e PRP. Tal situação leva ao descrédito os partidos políticos e distancia ainda mais a esfera política da esfera da sociedade civil.


E, ainda mais grave, são as escutas que parece indicar envolvimento direto do Governador com o Bicheiro Carlos Cachoeira, que caso se confirme, coloca em risco a credibilidade do Estado Democrático de Direito, e, afetando assim, o cotidiano da ordem social pelo descrédito dos cidadãos na ordem estabelecida.


Diante disso propugnamos:


1) Que o a Direção Estadual do PPS, reúna a sua executiva e o diretório e discuta de forma transparente o posicionamento dos seus líderes quando a situação política vivida pelo estado;


2) Que o a Direção Nacional do PPS, na reunião já prevista onde se discutirá a relação do PPS, com o Governo Agnelo do Distrito Federal, inclua na pauta, pela mesma razão, a discussão da relação do Partido com o Governador Marconi Perillo


3) Que seja tirada uma posição clara para que possamos dialogar com a sociedade e encontrar caminhos para superar o momento vivido pelo Estado de Goiás, e que se necessário for, o PPS no Estado de Goiás, entre com o pedido de Intervenção no Estado e na cidade de Anápolis, onde a situação tem se mostrado mais grave.





Reiteramos que tomamos tal iniciativa pela responsabilidade que temos de proteger a ordem social, as instituições republicanas e garantir o desenvolvimento humano e o aprofundamento da democracia no nosso estado.


Assina.


1. Nelson Soares dos Santos – Diretor Geral da Fundação Astrogildo Pereira, Secretário de Formação Política, membro da Executiva e do Diretório Regional do PPS de Goiás

terça-feira, 1 de maio de 2012

Dia do trabalhador: Comemorar conquistas e lutar pelo desenvolvimento humano


Neste primeiro de maio não podemos negar que as condições de vida dos trabalhadores brasileiros têm melhorado sensivelmente. Entretanto, embora seja necessária a comemoração ainda há muito que conquistar, e, o desenvolvimento humano deve ser colocado na ordem do dia. Nunca a letra da música “ a gente não quer só comida, a gente quer bebida diversão e arte”, tornou-se tão verdadeira, tão necessária de ser cantada e vivida. A luta pelo desenvolvimento humano é a luta por educação, saúde, segurança e qualidade de vida, e, também uma política nacional de acesso aos diversos tipos de manifestação cultural nacional e internacional..

A luta pela educação.


A luta pela educação é a luta mais premente e dever ser de todos. Enquanto não tivermos uma educação de qualidade com acesso garantido a todos os brasileiros, e com uma política voltada ao desenvolvimento humano e construção da cidadania não teremos a qualidade de vida que sonhamos para o nosso povo, nem tão pouco reais motivos para comemorar. Um país cuja economia já é a sexta maior do mundo deve começar a pensar ter suas bibliotecas abertas nos fins de semana, e durante a semana 24 horas por dia. Tal país não pode e não tem como justificar o salário miserável que é pago aos seus educadores. Não é possível entender que um tal pais pague um salário a um professor que não dá pra ele cuidar da família e investir na construção de sua própria biblioteca.
Ainda assim, este país passa pelo dia dos trabalhadores com apenas nove estados pagando o piso dos professores, e em alguns deles, com desrespeito ao plano de carreira. Para piorar a situação, são muitas as escolas públicas sucateadas, sem livros, sem bibliotecas e  laboratórios de informática. É necessário um reforço na política de acesso aos livros, a internet, e a todo tipo de informação de qualidade para todos.
Uma questão premente é mudar o conceito que se tem de educação no Brasil. Educação aqui tem sido entendida como negócio, e pior, como negócio onde o mercado pode tudo. Nenhum país do mundo mudou a realidade educacional com este pensamento. A educação pública é vista como educação para os pobres, e portanto, não há necessidade de qualidade, e a educação privada é vista como preparação para o mercado de trabalho. Desta forma, um e outro, pobres e ricos deixam de ter o aspecto mais importante que a educação pode oferecer – o auxílio no desenvolvimento humano.


Uma política nacional de acesso a cultura.


Um país que já se tornou a sexta maior economia do mundo merece uma política nacional de cultura mais arrojada. Nossos jovens precisam ter garantido os direitos de acesso aos bens culturais da humanidade. Galerias de arte, Museus, Bibliotecas, devem ter uma nova forma de funcionamento. No caso das bibliotecas deve se tornar mais populares, e funcionar 24 horas por dia e nos feriados. Concursos de poesias, literatura, e oficinas de arte já deveria ter se espalhado por todo o país, para que seja possível descobrir novos talentos e identificar as lideranças do futuro.
Arte como música e dança deve ter incentivos para que a população tem acesso, sobretudo, a música clássica, erudita, MPB. Não podemos admitir que grande parte de nossa juventude chegue aos vinte, trinta anos sem ter ouvido o melhor que a humanidade já produziu na  música, na dança e na literatura. Nas universidades, mudar as cultura do manual e incentivar os jovens a beber nas melhores fontes, nos originais, mesmo que para isso tenham que ler em outro idioma.


Outras questões.


Cremos que um grande investimento em educação e cultura mudará a médio e longo prazo a realidade de muitos de nossos jovens e nossas cidades. A segurança, a preservação do meio ambiente, a qualidade de vida sofrerá mudanças forçadas pelas escolhas feitas pela população, que mais conscientes do  papel a assumir na sociedade farão melhores escolhes, e mais conscientes dos seus direitos saberá cobrar o cumprimento dos mesmos por aqueles de cuja responsabilidade deverá ser cobrada. Haverá mudanças na política, e com certeza, um aprofundamento e amadurecimento de nossa democracia. A cidadania será valorizada, o ser humano será tido e visto em novo patamar, construindo assim, uma sociedade mais justa, solidária e fraterna.