Pesquisar este blog

sábado, 14 de maio de 2011

Onde nasce a corrupção? A merenda escolar e o mensalão.



A corrupção é uma palavra que vem do latim “corruptione”, e significa e tem muitos significados, nenhum, porém do qual alguém possa se orgulhar de lhe ser aplicado. Seduzir, subornar, estragar é alguns dos significados que lhe acompanha. No dicionário Aurélio a palavra traz junto de si um extenso campo semântico, uma grande gama de significados.  São alguns deles: “putrefação, decomposição, devassidão, perversão, suborno, peita”, ou seja, só coisa feia. O pior disso é o mal, o prejuízo que isso causa a corruptos e corruptores, pois um não existe sem o outro. Entendido isso, está ai a origem da corrupção; ela só existe na medida em que o homem procura se relacionar, seja consigo mesmo, com a natureza, ou com os demais homens. A corrupção é um produto do relacionar.
Sendo assim, podemos continuar pensando: onde nasce a corrupção? Os cristãos logo vão dizer que tudo começou no jardim do Édem. Eva comer a maçã foi o primeiro ato de corrupção, ou seja, transgrediu certa norma em proveito próprio não compreendendo seu papel no Jardim do Eden e na vida de Adão. É, isso mesmo, a corrupção ocorre quando indivíduo confunde o papel que devem exercer com a sua pessoa como ser singular. Eva confundiu o papel de mulher de Adão com o papel de ser Eva. Este fenômeno continuou ocorrendo  ( para os cristãos desde então, pois tudo começou ali), por toda a  história da humanidade até nossos dias.
É o mesmo fenômeno que ocorre hoje. O pai que confunde o papel de ser pai com o papel de homem corrompe a idéia de ser pai. E assim multiplica para a mãe, para o filho, o irmão, etc. A verdade é que existe corrupção por que existem regras e papéis que devemos exercer na nossa existência. Veja que aqui a corrupção é vista bem diferente da idéia de corrupção apenas como um desvio do comportamento do político. Todo comportamento pervertido, degenerado, degradado, fora das normas, pode ser considerado um comportamento corrupto. A questão é saber por que as pessoas se corrompem. Mesmo para aqueles que consideram a história de Eva e Adão apenas mais um mito, é preciso admitir que mesmo a interpretação do mito diga que Eva se corrompeu por uma razão: desejo de ter mais poder.  E adão, seguiu Eva um tanto por fraqueza ou mesmo por que também queria ser igual a Deus.
Temos então dois motivos pelos quais os homens se deixam corromper. Fraqueza e sede de poder. Poder é uma palavra bem mais rica que a fraqueza. O poder pode ser almejado de diversos modos e estar em diversos ambientes. Ouvi certa vez que toda relação é uma relação de poder. Assim, entre o homem e a mulher existe uma relação de poder. O mesmo se repete entre pai e filho, mãe e filha etc. Em todas as relações de poder existe a possibilidade de corromper e ser corrompido seja por fraqueza ou desejo de manter o poder sobre o outro.
O desejo do poder e a fraqueza são na verdade dois pólos de uma quase mesma coisa. Os fortes que possuem consciência de que são fortes não buscam o poder. Só a fraqueza leva a busca desenfreada pelo poder, ou, de outro lado a luta em legítima defesa, esta, típica apenas dos fortes. Os fortes são homens de virtudes morais, aos quais a vida possui um sentido e uma missão. Não saem em busca do poder, trilha o caminho que os leva a glória de forma serena, alegre e tranqüila.
O desejo dos fracos pelo poder é que gera a corrupção. Nas relações que não são vividas no campo das virtudes a corrupção  é gerada com fecundidade. Os vícios são, nas relações a fonte e origem da corrupção e a  primeira forma é a corrupção do próprio sentido da vida e da natureza humana. A corrupção da natureza humana faz o  homem vil, e homem degenerado, pervertido roubará, matará, odiará. Não importa se como senador ou diretor de uma pequena escola.
O desvio de verbas da merenda escolar por todos os cantos do país, o mensalão do PT, do DEM ou do PSDB tem a mesma origem – a corrupção da natureza humana. As leis do estado podem coibir, podem até contribuir para diminuir mas enquanto os homens confundir o papel que exercem na sociedade com a pessoa singular que são, haverá corrupção. Solução interessante encontrou a Igreja católica: para ela não importa quantos padres pedófilos venha existir, isso nunca corromperá ou maculará a igreja, pois o ser humano é corrupto, mas a idéia de sacerdócio não se corromperá jamais por que uma vez paramentado de sacerdote o homem impuro torna-se outra coisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário