Pesquisar este blog

segunda-feira, 14 de março de 2011

Conselhos aos que buscam o conhecimento verdadeiro II – Os tipos de conhecimento.



No texto anterior, elencamos algumas idéias que consideramos necessárias àqueles que buscam o conhecimento das coisas, chegar a bom termo em suas jornadas. Neste, procuraremos ampliar um pouco mais, analisando alguns obstáculos[1] que podem ser encontrados no caminho. Em uma época com tanta informação, não basta mais a dúvida que leva à saída do senso comum, ou do mundo das opiniões, é precisar duvidar de cada dúvida, e se permitir trilhar caminhos já trilhados.
Supondo que o leitor seguiu os conselhos do texto anterior  e se encontra pronto para adentrar ao terreno do conhecimento, é preciso então alertar para o fato de que conhecimento não é sabedoria, e, necessariamente  não vai levá-lo a vida feliz. E, o que pode ser pior, é preciso tomar consciência da existência de várias formas de explicação do real, e, todas consideradas que não é mais senso comum.
Na Grécia antiga aqueles, que buscavam a sabedoria ou o conhecimento verdadeiro das coisas, deparavam-se com a religião, o mito, e contrapunha-se o logos na esperança de abrir os horizontes aqueles que não conseguiam ver além das aparências. Na atualidade, o mito, a religião convive com o Logus, e Logus se fragmentou em diversas possibilidades. Para tornar-se mais complexo é preciso considerar o fato da existência do senso comum para cada um deles. Então, temos o mito, e o senso comum do  mito; a religião e o senso comum da religião, o conhecimento científico e o senso comum da ciência, o conhecimento ocultista, místico ou metafísico e o senso comum correspondente.
Neste sentido é que se torna necessário caracterizar cada um dos tipos de conhecimento naquilo que se aproximam e se diferem operando em suas categorias definidoras para compreendermos o seu logos e o seu senso comum. Pode  dizer que hoje temos os seguintes tipos de conhecimento: O mito, o conhecimento teológico; o conhecimento Filosófico; O conhecimento Científico; e o Conhecimento oculto, místico ou metafísico. Na atualidade todos eles convivem de forma popularizada e dá se a falsa impressão de que todos podem ter acesso ao conhecimento verdadeiro sobre todas as coisas.
O mito.[2]
Já se disse entre os antropólogos  que o mito, hoje, faz parte de uma necessidade humana. Os homens precisam do mito. Necessário ou não, nosso objetivo aqui é caracterizá-lo. Neste sentido, é preciso dizer que o mito se define como uma narrativa fabulosa de acontecimentos envolvendo deuses, a natureza e o homem, sempre procurando estabelecer uma mediação entre o sagrado e profano, e dando assim, sentido a existência humana.
Compreender o mito é questão ainda mais complexa. Um conhecimento ou modo de explicar o sentido da existência humana o mito é rico em símbolos. A forma como cada um apreende estes símbolos é determinante na forma como se interpreta os mitos do passado, e quase sempre, mito se refere ao passado primórdio. Hoje, quase todo ser humano já ouviu falar dos mitos, sobretudo, os mais populares no ocidente, os mitos gregos. No carnaval deste 2001, lá estava na avenida diversas representações dos mitos gregos, de forma que ao entrar em contato com as formas, figuras e símbolos, estes por si só transmitem algum tipo do conhecimento transmitido pelo mito. A apreensão que se dá deste conhecimento fica a cargo daquele que recebe. Daí, pro que é preciso tomar cuidado com o senso comum do conhecimento do mito. Entender a rica trama do Olimpo, de deuses, semideuses e homens não é algo possível pela compreensão de alguns símbolos. É um trabalho que exige dedicação e, sobretudo entrega.
Neste sentido, o mito não é uma invenção, uma lenda, uma ficção. Para Roland Barthes decifrar o mito é decifrar-se, querendo dizer com isso que o mito é uma narrativa que explica o sentido da existência humana, e por isso, revela um acontecimento verdadeiro que em sua profundeza de significado traz toda a verdade sobre nossa existência.
Dito isso, creio ficar claro, o nosso alerta que não é possível compreender o mito de forma simplificada. É preciso entrar  no mundo do primitivo, do arcaico, vivenciar os sentimentos e emoções provocados pelos símbolos para se compreender os seus significados.
O logos, ou o Conhecimento Filosófico.
Passa-se a idéia para o senso comum de que adentrar-se no terreno da filosofia é abandonar o mito. Ledo engano. O mito é necessário ao conhecimento filosófico. Muitos chegam a afirmar que é impossível ao filósofo um conhecimento verdadeiro sem um conhecimento profundo do mito. Talvez este foi um dos elementos da defesa de Sócrates pouco compreendido para aqueles que não alcançam o discernimento necessário a sabedoria. Socrátes foi acusado de corromper os jovens e renegar as tradições ( os mitos), em sua defesa ele, então, mostra que a sabedoria que ele buscava era algo divino e que só os homens que tem o beneplácito dos deuses podiam compreendê-la. Ele, Sócrates, era apenas uma amante apaixonado deste saber dado a ele pelos deuses, saber este que era preferível morrer a renegá-lo.
O mito é pois, essencial ao trabalho do filósofo. Afinal, só pensamos naquilo que cremos, ou naquilo que embaralha as nossas crenças, na expressão dos alunos de hoje, dá nó em nossa cabeça. O filósofo é pois um mítico em busca da compreensão da verdade revelada, é um apaixonado pela compreensão do ser, das coisa, do mundo, por isso, questiona, pergunta, duvida.
O primeiro homem a utilizar a palavra filosofia,  cujo registro consta na história, foi Pítagoras. Nascido na cidade Grega de Samos, quase tudo sobre ele soa como lenda. Considerado no ocidente como um filósofo pré-socrático foi também o matemático cujos estudos é a base do conhecimento matemático na atualidade. Mas Pitágoras não era apenas matemático e filósofo, era também um místico apaixonado. Hoje, é  o grego de Samos é venerado em rituais em diversas sociedades ocultistas e místicas, como a Ordem Rosacrucianas, Cabalísticas, templárias, dentre outras.
Para Pítagoras não é possível ser filósofo ( amante da sabedoria), sem que antes se alcance o domínio de si. Daí por que sua escola foi uma Universidade, uma religião, uma fraternidade; como sintetizado por alguns, uma escola onde  a busca da compreensão dos mistérios do Universo e do Cosmo era a razão de todos que a compunha. Acreditava-se que apenas um homem livre, dono do seu destino era capaz de compreender a grandeza de Deus e do universo,e por isso, era necessário a este homem um esforço de auto-conhecimento para encontrar em si a grandeza do cosmo do qual participava.
Considerando as proposições pitágoricas, fica claro que um dos obstáculos para se tornar um filósofo nos dias atuais, é a forma como tem sido entendida a moral. O desregramento existente na atualidade, a forma como se o  homem tem lidado com os sentidos e buscado satisfação dos prazeres da carne sem nenhuma moderação torna impossível o encontro com o saber.
O conhecimento Científico.
A filosofia precisou de séculos para se sistematizar, no entanto, alguns problemas simplesmente teimavam em não encontrar uma solução racional. Os neoplatônicos ao  retomar a importância do mito, da religião e do misticismo como forma de tentar superar o dualismo platônico, de certa forma contribui diretamente para o surgimento da ciência moderna. A observação da vida prática, do comportamento moral do homem, já iniciado pelo gênio de Aristóteles, e agora, estendido a tentativa de compreender objetivamente os mistério dos deuses, dota o homem da necessidade da observação, sistematização, demonstração daquilo que ele subjetivamente ousava entender ser capaz de compreender do mundo inteligível.
Homens como Descartes, Francis Bacom, foram dotados de uma forte intuição intelectual, e, de profundo conhecimento místico, mítico e filosófico. Em seu tempo, sentiram a necessidade de tornar demonstrável aquilo que fosse considerado verdadeiro, desde a mais simples idéia àquelas que ousavam explicar a existência das estrelas e dos astros. Ao estabelecer esta ligação profunda entre a observação, experimentação à racionalização das coisas, estabelecia as bases do moderna ciência.
Esta racionalidade, em sua essência, não torna inútil nem o conhecimento mítico, nem o metafísico, ou mesmo o filosófico. Aliás, a razão se alimenta de todos os eles de alguma forma, devido a historicidade do próprio desenvolvimento humano. Talvez foi isso que quis ensinar o gênio alemão quando disse: A pouco ciência torna os homens incrédulos, muita ciência leva o homem a curvar-se diante de Deus. Ou mesmo, o gênio francês, quando disse: Ciência sem consciência é a ruína da alma.
Como se vê, novamente é colocada a questão dos sentidos. Não se pode alcançar o conhecimento científico sem saúde dos sentidos. O equilíbrio, ou seja, o aprendizado das virtudes é necessário a aquisição ou a iniciação ao saber, seja ele científico, teológico, filosófico, metafísico ou mítico. Apenas ao homem comum é permitido o desregramento moral, afinal, este não possui o compromisso com  a veracidade, tão somente com o ego e as opiniões.
Paulo Sales de Oliveira na obra Metodologia das Ciências Humanas tece considerações interessantes sobre a iniciação a ciência. Segundo ele, o processo de iniciação a ciência começa pelos sentidos e pela leitura. Deste modo é preciso e urgente desenvolver a sensibilidade, a imaginação criadora, a percepção, acompanhado de uma disciplina, de rigor, de ceticismo e confiança no método. Quanto a leitura, deve se ler não apenas de forma externa e exterior, mas exercitar o que ele chama de passeio da alma por uma estrada onde tantos já passaram. Outros autores são pródigos em exemplos do que é necessário para se adentrar aos portais da ciência.
Em comum, todos os autores falam, na atualidade, da necessidade de se aproximar as diversas ciências. Assim, surgiram variados nomes como multidisciplinaridade, transdiciplinaridade, interdisciplinaridade, transversalidade, dentre outras; sempre tentando mostrar que o aprendizado de fato de uma ciência requer contato com diversas outras, e que a formação dos futuros cientistas não pode mais se dar de forma fragmentada. O grande problema é encontrar os limites entre o senso comum da ciência e o início do aprendizado  da ciência pretendida.
A mesma questão, eu penso, se aplica aos diversos tipos de conhecimento. No momento atual da história da humanidade, a busca da sabedoria requer uma espécie de transdisciplinaridade entres os tipos de conhecimento. Não dá mais pra pensar a realidade e o sentido da existência humana, buscar e encontrar respostas isoladas em um tipo de conhecimento. Urge que ciência, religião e misticismo dêem-se as mãos nas mentes dos cientistas. Questões delicadas como a genética humana  (o clone de humanos), o aborto, a pena de morte, exigem mais do que respostas científicas, religiosas, ou filosóficas. Requer respostas que estão além dos limites de cada um destes conhecimentos. E não é apenas fazer a filosofia da religião, ou estudar a religião de forma científica, ou quaisquer outros tipos de inversão realizados. É necessário entrecruzamentos, encontros, entrelaçamentos para que se possível um novo modo de ver as coisas, totalmente novo do que até agora está posto.



[1] Obstáculo neste texto não tem necessariamente o conceito trabalhado por Bachelard, e sim, a dificuldade simples de acesso ao saber.

Nenhum comentário:

Postar um comentário